Novembro com intensa programação pelo Projeto Retratos Contemporâneos

Vivemos na era do digital, da imagem digital e do conteúdo digital. Porém, ao nos depararmos com obras produzidas em técnicas clássicas fica impossível não nos questionamos como esse tipo de produção se situa no contexto artístico contemporâneo.

flyers

Qual é o lugar do retrato na pintura contemporânea? Essa visibilidade diferenciada que o retrato pictórico proporciona é um dos temas do Projeto Retratos Contemporâneos, criado pelo artista visual Éder Oliveira e contemplado pelo Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais, do Ministério da Cultura. As ações se iniciam no dia 08 de novembro, às 19hs, com uma roda de conversa entre ele e os artistas Armando Sobral (PA), Ernesto Bonato (SP) e Fábio Baroli (MG). A conversa será mediada pela curadora Marisa Mokarzel (PA). Na mesma semana também haverá a realização de workshops com os convidados. As ações, que serão gratuitas, contarão com intérprete simultâneo de LIBRAS e ocorrerão no Centro Cultural Sesc Boulevard.

Armando Sobral e Ernesto Bonato tem aproximações com as técnicas dos grandes mestres e são alguns dos principais nomes da xilogravura do país. Já Éder Oliveira e Fábio Baroli tem trabalhos que abordam temáticas sociais. Oliveira usa a fotografia como ponto de partida para a realização de suas obras, seus retratados estão constantemente, nas páginas policiais da capital paraense. A partir da foto é que ele dá início a um processo de representação, não só do indivíduo, mas também da sociedade. Baroli também trabalha com a realidade, um flagrante no cotidiano. Como uma colagem de imagens, ele questiona a própria tradição da pintura em suas obras.

Pintura de Ernesto Bonato

Pintura de Ernesto Bonato

DESCENTRALIZAÇÃO DO DEBATE

O projeto tem o objetivo principal de propiciar a troca de saberes, poéticas e técnicas entre artistas de diferentes estados (PA, MG e SP) e a comunidade.

A Roda de Conversa será a oportunidade de motivar o debate, o diálogo e intercâmbio de experiências entre o público presente e os artistas convidados. Já as Práticas Abertas funcionarão como workshops. Durante quatro dias o espaço será um atelier coletivo, a cada dia um artista irá mostrar para o público suas experiências e sua forma de produzir, abordando seus processos criativos e as técnicas envolvidas em suas produções de retratos.

Além disso, os artistas convidados do projeto participarão de vivências através de encontros nos ateliers dos artistas de Belém.

✚ Confira a programação!

* Conversa: O Retrato Contemporâneo

Os artistas Armando Sobral (PA), Éder Oliveira (PA), Ernesto Bonato (SP) e Fábio Baroli (MG) conversarão com o público a respeito da produção contemporânea de retratos pictóricos nas artes visuais, a partir de seus trabalhos, pesquisas e poéticas.

08/11 (terça-feira), das 19 às 20h.

* Práticas Abertas

Nas Práticas Abertas, diariamente um artista mostrará ao público parte de seu fazer no âmbito do retrato e da figura humana. A metodologia poderá variar entre a exposição do processo criativo ou mesmo pela demonstração prática com cada artista, em um ambiente propício para a experimentação e a troca de experiências.

  • 09/11, de 09 às 12h, com Armando Sobral
  • 10/11, de 09 às 12h, com Fábio Baroli
  • 11/11, de 09 às 12h, com Éder Oliveira
  • 12/11, de 09 às 12h, com Ernesto Bonato

✚ CONHEÇA OS ARTISTAS 

Armando Sobral trabalha e vive em Belém. Artista Plástico graduado pela Fundação Armando Álvares Penteado. Cofundador do Atelier Piratininga, em São Paulo. Foi Professor da Universidade Federal do Pará entre os anos de 2003 e 2005, onde foi responsável pela reestruturação do atelier de protótipos tridimensionais. Instalou e coordenou o atelier público de gravura da Fundação Curro Velho, em Belém, entre os anos de 2001 e 2006 e vem prestando assessorias para instituições culturais do Estado na área de políticas públicas.

Éder Oliveira trabalha e vive em Belém. Nascido em 1983, em Timboteua, região do Salgado paraense. Licenciado em Educação Artística – Artes Plásticas pela Universidade Federal do Pará. Pintor por ofício, desde 2004 desenvolve trabalhos relacionando retratos e identidade, tendo como objeto principal o homem amazônico.

Ernesto Bonato é de São Paulo. Gravador, fotógrafo, curador e professor. Em 92 se formou no curso de artes plásticas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. É mestre em artes também formado pela ECA/USP, Entre 1998 e 1999, foi professor de xilogravura no Atelier de Gravura do Museu Lasar Segall. Desde 1993 integra o Atelier Piratininga. Concebe e orienta cursos de desenho e gravura em instituições e atua como curador.

Fábio Baroli Vive e trabalha em Uberaba. É formado em Artes Visuais pela Universidade de Brasília. Recebeu prêmios como o X Prêmio de Arte Contemporânea do Iate Clube de Brasília (2011), o 1º Prêmio Espaço Piloto de Arte Contemporânea (2009), o 9º Salão de Artes Visuais de Guarulhos (2009) e o Prêmio Aquisição do 28° Salão Arte Pará. Possui obras no acervo do Museu Nacional de Brasília, Fundação Romulo Maiorana, Centro de Educação e Cultural.

✚SERVIÇO: Projeto Retratos Contemporâneos realiza encontros em Belém. No site http://www.ederoliveira.net/retratoscontemporaneos está disponível a programação completa. Programação gratuita. Local: Centro Cultural Sesc Boulevard (Av. Boulevard Castilho França, 522/523 – em frente à Estação das Docas). O projeto foi contemplado pelo Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais, do Ministério da Cultura. Contato: (91) 99254-2347; debbrabelo@gmail.com (ASCOM).

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Andrei Simões lança seu novo livro “Luz, O deus do Horror”

Eu estou muito feliz em compartilhar com vocês que, no dia 04 de outubro, às 18h, no Sesc Boulevard, em Belém, o escritor paraense de terror e horror Andrei Simões vai lançar o terceiro livro impresso da sua carreira!

Depois de ler Putrefação eu virei fã do autor e da sua escrita direta e impactante. Eu conheço o Andrei e ele é um cara com muito conhecimento e boas referencias, por isso estou muito curiosa para ler Luz, O deus do Horror, seu novo livro.

Andrei Simoes_blog_Foto_Debb_Cabral

Esse trabalho conta com ilustrações do paulista Eduardo Seiji e projeto gráfico e editorial de Flor di Maria Fontelles. A obra inaugura a linha de terror da Twee Editora. Incrível, não é mesmo?

Se liga na sinopse!

Luz, o deus do Horror

E se o regente deste mundo não se chamasse Amor?

            E se o medo fosse o alimento e instrumento de controle de um deus humano, demasiadamente humano?

            Obras de terror vão muito além do susto e do medo. Elas podem também servir para nos fazer pensar sobre a nossa realidade e a do mundo.

            Entrando em uma espiral descontrolada de seres que habitam os pesadelos mais assustadores da espécie humana, a boneca, o fantasma de uma criança, o monstro da estrada, o quadro mal-assombrado e outros arquétipos do gênero, as personagens deste livro se depararão com o mais puro horror e descobrirão verdades que poderão alterar o curso da própria vida humana.

            A cada capítulo, histórias de um terror absoluto serão contadas, através de gritos ecoantes em vários lugares do mundo, de uma capital na Amazônia brasileira a um esquecido vilarejo chinês; todas diretamente interligadas, em um romance seriado que se direciona a um clímax épico, surtado, filosófico e inesquecível.

            Afogando-se no próprio sangue, o ser humano conseguirá se libertar das correntes que ele mesmo criou para si?

            Na intensidade de um soco literário, Luz é um retrato atualíssimo sobre a ausência de crença em nossas existências, diante de um mundo de alienação social e religiosa que nos impõe nada além de medo e controle, o vigiar e punir de cada dia.

            Divertido. Apavorante. Reflexivo.

            Uma homenagem e ao mesmo tempo uma profunda e original subversão ao gênero.

            Permita-se. Abra este livro e entenda que só amamos a luz porque temos medo do escuro.

✚ Pra quem ficou curioso, dá pra ler o primeiro capítulo aqui, além de poder comprar o livro na pré-venda também e concorrer a uma edição especial com capa de couro e autografada!

.

andrei-simoes-escritorAndrei Simões

Utilizando filosofia, ciência e ocultismo, navegando entre o realismo mágico e o horror, Andrei Simões procura instigar e provocar o leitor, com literatura minimalista, direta e profunda, utilizando de símbolos obscuros do inconsciente para trazer à tona difíceis, mas necessárias reflexões sobre a vida e a morte. O escritor nasceu em Belém do Pará, é biólogo e mestre em comportamento animal. Andrei tem outros dois livros publicados em papel, Zon, O Rei do Nada e Putrefação.

SERVIÇO

Lançamento do livro Luz, O deus do Horror, de Andrei Simões com ilustrações de Eduardo Seiji.
Data: 04 de outubro de 2016, às 16h
Local: Centro Cultural Sesc Boulevard
Endereço: Boulevard Castilhos França, 522/523 – Campina

PROGRAMAÇÃO

  • 18h às 20h40 – Lançamento do livro Luz, O deus do Horror com sessão de autógrafos.
  • 19h – Acústico sombrio com Marcelo Kahwage.

* Durante o evento haverá performances com o artista Gilberto Guimarães Filho e recitação de trechos do texto do autor.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato foi: Exposição Alistamento, de Éder Oliveira

Há mais de 10 anos Éder Oliveira desenvolve trabalhos relacionando retratos e identidade, tendo como objeto principal o homem amazônico. Nascido em Timboteua, na região do Salgado paraense, Éder é formado em Educação Artística – Artes Plásticas, pela UFPA.

Ele é daltônico e utiliza isso em seu favor na hora de construir seus trabalhos. Pinceladas marcadas e cores fortes mostram esse seu olhar “diferente” sobre a realidade. Ele consegue, como poucos, chegar no tom de pele que mistura os traços do negro, do branco e do índio. O homem comum e anônimo é o objeto retratado. Às vezes uma cor se sobressai, mas nunca é algo feito à toa.

Aqui em Belém os trabalhos dele já são bem conhecidos, muros tem estampados rostos de homens da periferia da cidade. Homens que deixamos à margem das nossas vidas. Homens invisíveis.

Na 31ª Bienal de São Paulo, o mural dele com rostos de suspeitos de crimes, que foram tirados das páginas do jornais paraenses, mostrou o estigma do caboclo amazônico como o bandido. Um reflexão sobre a condição social desse individuo.11078255_445635108946876_2885289830346153209_nAgora, em Alistamento, Éder fez uma convocatória feita a jovens alistados nas Forças Armadas. Aqui novamente o cabloco amazônico é visto, porém do outro lado da história. Para a mostra, os participantes foram fotografados e entrevistados a respeito de temas como identidade, militarismo e violência, e suas respostas e histórias fizeram parte do processo de investigação e construção dos trabalhos expostos, entre óleos sobre tela, objetos, site-specific e videorretrato.

Com curadoria de Marta Mestre, o projeto foi contemplado pelo Ministério da Cultura e pel​o​ Edital Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais 2014, e conta com o apoio do Sesc Boulevard e da galeria Blau Projects.

É uma exposição incrivel e vale muito a pena conferir! Quem não for de Belém, pode acompanhar o trabalho dele pela fanpage.

SERVIÇO
ALISTAMENTO”​, ​​individual ​de Éder Oliveira​

Período: 29 de maio à 12 de julho
ter-sáb: 9h-19h | dom: 9h-13h

Local: Centro Cultural Sesc Boulevard – Boulevard Castilho França, 522/523, Campina, Belém – PA

​(91) 3224 5305 | 3224 5654

Entrada franca