O Gato leu: Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel?

Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? – Ilana Casoy
Editora: DarkSide
Ano: 2014
Páginas: 360
Compre: Amazon

A maldade e a violência têm uma origem na insanidade ou são totalmente frutos da consciência humana? O livro Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? da DarkSide Books nos traz essa reflexão a todo o momento. Os assassinos em série mais famosos do mundo estão reunidos aqui pela renomada criminalista brasileira, Ilana Casoy. 

Antes de detalhar os crimes de cada um, Casoy nos explica o que é um serial killer, quais são seus ciclos, aspectos gerais, psicológicos, características e o modo como eles enxergam suas vitimas. Além disso, ela derruba alguns mitos que existem acerca do tema e dessas pessoas. A autora destaca alguns métodos de investigação e, acima de tudo, aponta que esses criminosos não são monstros, como algumas pessoas costumam se referir, eles são exemplares da nossa sociedade.

Resenha do livro Serial Killers - Louco ou Cruel?, publicada no blog GatoQueFlutua

Para um crime ser solucionado, tanto a medicina forense quanto a psicologia jurídica devem ser utilizadas. Quanto mais interação entre os profissionais das duas áreas, mais chances tem a policia de encontrar e capturar os serial killers. (Pág. 34).

Clara e objetiva, Ilana nos apresenta crimes chocantes e extremamente violentos. São 16 casos que marcaram o século XX, como Aileen Wuornos, Albert Fish, Andrei Chikatilo, Ed Gein, Jeffrey Dahmer, Ted Bundy e o Zodíaco. Ela documenta os fatos em uma forma de narrar tão singular que me lembrou uma escrita de ficção, feita para manter o leitor atento e interessado. A cada caso, um novo clímax é construído.

Assassinos em série, enquanto ainda não descobertos, escalam na violência, sentindo-se cada vez mais confortáveis e com a autoconfiança estimulada a cada dia que passam sem ser suspeitos. (Pág. 240)

Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? disseca o universo da criminalística e nos ajuda a enxergar o quanto que a tecnologia, a cada evolução, tem sido uma aliada na hora de solucionar os crimes. O DNA, por exemplo, hoje é algo comum e que até os leigos conseguem entender a sua eficacia, mas ele é uma tecnologia muito recente. Existem casos em que, se houvesse a evidência do DNA na época, teria outro resultado.

Recomendo!

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Psicose

Psicose – Robert Bloch
Editora: DarkSide
Ano: 2013
Páginas: 240
Compre: Amazon | Submarino | Americanas | FNAC | Livraria da Travessa | Cultura | Saraiva

Depois de já ter visto a adaptação para o cinema (recentemente, inclusive) e estar em dia com a série Bates Motel (que funciona como um prequel), fiquei imaginando como seria a minha experiência com o livro Psicose. Eu iria me envolver? A história iria ficar sem graça uma vez que já sabia como acabaria? O resultado não poderia ser mais positivo, pois só o livro nos oferece informações únicas e avassaladoras.

Não é a toa que quando o cineasta Alfred Hitchcock conheceu a história, comprou os 3 mil exemplares disponíveis e os escondeu. Nenhum spoiler iria estragar a experiência das pessoas com esse thriller eletrizante.

GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

O clássico de Robert Bloch, originalmente publicado em 1959, foi livremente inspirado no caso do assassino americano, Ed Gein, que roubava túmulos para esquartejar cadáveres. Gein também foi condenado pelo homicídios de duas mulheres, além de ser suspeito no desaparecimento de outras cinco pessoas.

Na psicose, o individuo se desliga da realidade. Nesse, que é um distúrbio comum, a psique funciona de maneira atípica. A pessoa pode delirar, ter alucinações, fixação em algo e se comportar de maneira bizarra, o que leva a um desequilíbrio no convívio social.

No livro, Mary Crane fugiu após roubar, do seu chefe, o dinheiro que foi confiado a ela para depositar num banco. Ela foge ao encontro de Sam Loomis, seu namorado, na cidade em que este vive. Ela quer construir uma vida com ele. Após passar várias horas do final de semana dirigindo, Mary vai parar no Bates Motel, cujo proprietário é o estranho, mas muito educado, Norman Bates.

Quando você começa a especular desse jeito, uma vez que reconhece que ninguém sabe como funciona a mente de outra pessoa, você tem de admitir: tudo era possível. Pág. 115

Quando Lila, irmã de Mary descobre que esta desapareceu, procura Sam para saber se ele tem noticias dela. Sam não sabia de nada, pois Mary nunca chegou ao seu destino. Os dois começam então, a reconstruir os passos da moça para tentar descobrir o que houve, mas as descobertas serão cada vez mais terríveis.

GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

No filme, as coisas acontecem e nós apenas vamos acompanhando. No livro, nós estamos na mente dos personagens, principalmente na de Norman, e isso torna a história muito mais louca. Mary nem desconfia que ele é um homem atormentado por sua mãe controladora. Tentar seguir o raciocínio do Norman é perceber como a psicose decorre de algo muito mais profundo.

Essa é a edição em brochura, mas há também a em capa dura. Em ambas a DarkSide faz um excelente trabalho gráfico, pois o livro é bonito, bem diagramado e ilustrado. A edição caprichada é um presente para os colecionadores e todos aqueles que amam um bom livro.

Psicose é indispensável!

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob