O Gato viu: Esquadrão Suicida

Será que toda vez que um filme da DC for para as telas do cinema as polêmicas e as criticas pesadas irão junto? Parece que sim…

Quem viu os trailers de Esquadrão Suicida imaginava que este seria o filme do ano e que colocaria a estabilidade que a DC tanto precisava no cinema, mas não foi dessa vez. Depois da enxurrada de criticas negativas que Batman vs Superman: A Origem da Justiça recebeu, a impressão que se tem é de que eles modificaram Esquadrão Suicida para que ele ficasse mais atraente, porém essa foi justamente a coisa errada a se fazer.

esquadrao-suicida-forca-tarefa-x

Dá pra ver que a Warner tinha um material incrível em mãos e que os atores cumpriram e conseguiram convencer em seus papeis, mas faltou um roteiro decente. Faltou uma história que cativasse. Esquadrão Suicida era pra ser para a DC o que Guardiões da Galáxia foi para a Marvel, a apresentação para o grande publico, de heróis mais lado B, em uma boa trama e embalados com uma trilha sonora de peso. Mas não conseguiu chegar onde o concorrente foi.

Não que o filme seja de todo ruim, eu daria uma nota 7 para ele, mas porque sou uma pessoa muito legal e depois da enxurrada de criticas o meu hype diminuiu e eu já fui preparada para que fosse pior ainda.

Viola Davis é a grande estrela desse filme, ela está incrível no papel de Amanda Waller, a chefe da A.R.G.U.S, uma pessoa perigosa e incrivelmente inteligente. Eu pensei que a participação dela seria pequena, mas não, ela se mostra parte fundamental do decorrer da história.

Jared Leto faz um bom Coringa, diferente de todos que já vimos e que tem um caráter meio gangsta, meio de mafia, algo que gosto muito. Isso me lembra Gotham com Falconis e Maronis que sempre disputaram a sua hegemonia. Eu tinha plena confiança no Jared e dá pra ver que ele se esforçou, mas a trama não ajudou muito. Ele tem momentos brilhantes, mas também tem com coisas desnecessárias. A participação dele ajuda a fazer a ligação com o próximo filme do Batman.

A Alerquina sempre foi o meu maior problema. Eu queria que dessem uma calça para a personagem, porque ela vai para a batalha de calcinha? Uma legging de couro estava sensual e muito melhor. Porém, a Margot Robbie (que já é uma mulher hipersexualizada em todos os personagens que faz) consegue convencer como Alerquina e dá vontade de fazer um cosplay mesmo com o ranço que sinto com a personagem durante toda a vida. A Alerquina tem bons momentos, inclusive de força e independência, mas depois ela volta a ser infantilizada e colocada apenas como mais uma gostosa. A relação da Alerquina com o Coringa sempre me incomodou e eu queria que o filme deixasse mais claro que é um relacionamento abusivo entre os dois, mas a tendência a romantizar isso é sempre um erro que insistem em  cometer.

Will Smith faz um bom Pistoleiro e consegue fazer rir e emocionar. Gostei de ver a amizade entre ele e a Alerquina, espero que fique na amizade, pois quase nunca temos no cinema uma amizade verdadeira entre homem e mulher. Os momentos dele com o agente  Rick Flag, também são interessantes para fazer o debate de que todos são assassinos, incluindo os que estão autorizados pelo governo.

Gostei da história do El Diablo, mas queria ter visto mais assim da Katana (que é uma personagem que possui uma história fantástica), do Crocodilo e do Capitão Bumerangue também. A  Magia foi muito mal utilizada e as cenas dela chegavam a ser cansativas, uma pena. O vilão também foi bem generalista, tal como vimos em Batman vs Superman.

A trilha sonora é maravilhosa, mas poderia ter sido mais bem explorada. Teve momentos incríveis como a parte que toca Without Me, do rapper Eminem. Queria ter tido mais disso.

O filme deixa com um gosto de que dava pra ter sido melhor, pois bastava organizar em um roteiro as coisas boas que ele tinha. Mas assistam, pois vale o ingresso e a experiência de ver esse personagens representados na tela do cinema, fora que ele traz ligações com os próximos filmes da DC.

PS: Tem cena pós-creditos.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Pretérito Mais Que Perfeito

Pretérito Mais Que Perfeito – Otoniel Oliveira
Editora: Independente
Ano: 2015
Páginas: 72

Eu já tinha ouvido várias falas do Otoniel Oliveira e dos outros artistas sobre o projeto desta graphic novel e meio que na minha cabeça eu sentia que já sabia tudo sobre ela antes mesmo de ler. Eu não podia estar mais enganada.

PreteritoMaisQuePerfeito_GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

Pretérito Mais Que Perfeito é um quadrinho ousado, poético e necessário. Ele fala sobre a Belém do século XX, um pouco antes e um pouco depois deste também. São histórias que se passam em diferentes anos e épocas, mas sempre com a mesma testemunha: um banco da Praça da Republica em Belém.

Este banco é o ponto em que vemos diferentes personagens com diversos objetivos em suas vidas. Liberdade, amor, arte, politica e amizade são apenas alguns destes.

Cada conto representa um ano que foi marcante na história de Belém e na história do Brasil também, uma vez que os acontecimentos de um lugar influenciam muitas vezes no outro. Vemos uma Belém escravocrata, uma parisiense, outra militante, outra festiva, outra melancólica e por ai vai. Todas interligadas. Os contos são de apenas duas páginas e podem ser lidos de maneira independente, mas se a leitura for feita de maneira linear veremos um retrato da história recente do país, mas com a diferença de ser localizado em Belém do Pará, ao Norte dos grandes centros de hoje em dia.

Um passado. Um futuro. Uma luta constante no eterno presente.

PreteritoMaisQuePerfeito_GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral PreteritoMaisQuePerfeito_GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

A Belém de Pretérito Mais Que Perfeito não é a mais bonita ou idealizada como a de muitos. A Belém deste quadrinho, desta história desenhada a muitas mãos, é a Belém de todos os dias. A cidade que amamos mas que muitas vezes nos machuca. A HQ mostra um passado que não podemos ignorar e um futuro que pode não ser bem o que imaginamos.

Este é o tipo de história que deveria estar nas bibliotecas das escolas públicas e ser sempre apresentado aos jovens leitores, principalmente aos desta terra, que já nascem com os olhos no horizonte sem antes mesmo ter visto o que está enterrado debaixo dos seus pés.

Há de se destacar também o protagonismo feminino evidente, ainda as tramas sejam vividas por homens e mulheres, é destas que vem a força e a vitalidade que liga as narrativas.

O livro foi publicado via Catarse, totalmente a partir de financiamento coletivo (a primeira HQ paraense produzida desta forma). Ele conta com o roteiro de Otoniel Oliveira e Petrônio Medeiros. As artes ficam por conta de Otoniel Oliveira, Andrei Miralha, Carlos Paul, Diogo Lima, Rafa Marc, Volney Nazareno, Emmanuel Thomaz, Adriana Abreu, Dorival Moraes e Rosiani Olívia.

Outro destaque é a trilha sonora original do projeto, pensada para a imersão na leitura da obra. Ela foi composta e arranjada originalmente pelo multi-instrumentista Leonardo Venturieri e pode ser acessada com o QR Code no inicio de cada trama.

Vale muito a pena conferir!

O Gato viu: Guardiões da Galáxia

Por que que eu demorei tanto para ver esse filme? De ontem para hoje já vi duas vezes e fico imitando as cenas e repetindo as falas dele. É bom demais!

Imagine-se tendo que trabalhar em grupo com pessoas que não se dá bem. Tem gente que te odeia, gente que você não aguenta ouvir a voz, tem outros que querem mandar em todo mundo. É confusão na certa! Só que por algum motivo de força maior, vocês se percebem obrigados a trabalhar em conjunto, é difícil, mas vai ter que rolar.

É assim que é em Guardiões da Galáxia que traz a formula de sucesso da Marvel (bom roteiro + ação + humor) e arrasa.

Dirigido por James Gunn, o filme faz parte da segunda fase do universo cinematográfico da Marvel e conta a história de Peter Quill (Chris Pratt) que foi levado da Terra quando menino e se tornou o “Senhor das Estrelas”, um  saqueador de planetas.

Ele é perseguido quando vai em busca de uma esfera metálica em um planeta abandonado. A arma-assassina Gamora (Zöe Saldaña) e os caçadores de recompensas Rocket (voz de Bradley Cooper) e Groot (voz de Vin Diesel) estão em seu encalço. Todos são presos e conhecem Drax, o “Destruidor” (Dave Bautista). Drax quer vingança de Ronan, o “Acusador” (Lee Pace), que deseja a esfera roubada. Ronan tem ajuda de Nebulosa (Karen Gillan), meia-irmã de Gamora; e Thanos é para quem ele trabalha. Um grupo improvável em uma jornada absurda.

O Colecionador (Benício Del Toro) revela as forças incontroláveis que a esfera contém. Com a posse dessas informações, o grupo disfuncional tentará a todo o custo impedir que Ronan consiga a esfera. Eles se tornarão a única esperança de salvação do planeta Xandar, Lar da Tropa Nova, e de toda a galáxia.

Guardiões da Galáxia conta com uma trilha sonora incrível, que inclui Jackson 5, David Bowie, The Runawaysentre outras canções da década de 70.

Simplesmente incrível! <3

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob