O Gato leu: Ayrton Senna: A trajetória de um mito

Ayrton Senna: A trajetória de um mito – Lionel FroissartChristian Papazoglakis e Robert Paquet
Editora: Nemo
Ano: 2014
Páginas: 48
Compre: Amazon

Quando coloquei a meta de ler uma biografia no Desafio Doze Meses Literários de junho eu não imaginava que ela ia se mostrar a mais difícil até agora. A unica biografia que tenho na minha estante já li há anos atrás e não pretendo reler agora, com tantos livros inéditos na minha fila de leituras.

Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.

A minha sorte é que meu irmão é fascinado pelo Ayrton Senna e tem dois livros que falam sobre a vida do piloto brasileiro. Escolhi este da Editora Nemo, pois é em quadrinhos.

Considerado até hoje um dos maiores pilotos de todos os tempos, Ayrton Senna era apenas um ilustre desconhecido até a largada do Grand Prix de Mônaco, em 1984. O principado estava sob um dilúvio e a maior parte dos pilotos perdeu o controle do carro, mas o jovem brasileiro causou sensação no volante de um Fórmula 1 de classe inferior. No livro, vemos um piloto que treinou duro desde muito jovem, ainda no kart, para se aperfeiçoar nas corridas com chuva.

Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.

A sua performance impressionante o levou à dianteira da corrida e o tornou uma ameaça ao campeão Alain Prost. Esse dia marcou o início da lenda que se escreveu nos dez anos seguintes, durante os quais Senna deixou sua marca na Fórmula 1, até sua morte trágica no Grand Prix de Ímola, no dia 1º de maio de 1994.

Este é um livro para os fãs do piloto, pois é bem curto e não se preocupa em se aprofundar nos detalhes como nomes e datas. O leitor já tem que ter um certo conhecimento prévio disso. O quadrinho fica alternando entre a infância dele, no Kart e a vida adulta, como piloto profissional, ressaltando o quanto que as experiências são marcantes para toda a vida.

É interessante para mostrar que nem só o talento basta, é preciso trabalhar duro, se dedicar e se esforçar. Senna era bastante ambicioso e sabia disso.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato viu: Okja

“Se você escolhe comer carne, você ama pets, não animais”. Miley Cyrus falou isso recentemente e eu tenho que concordar com o pensamento dela. É importante nos avaliarmos e questionar se nossas palavras e ações estão indo para o mesmo lado. Já faz um tempo que estou tentando mudar minha alimentação e parar de comer carne é o maior desafio.

Recentemente vi Okja, a produção da Netfix, dirigida por Bong Joon-ho, na qual Lucy Mirando (Tilda Swinton), CEO de uma poderosa empresa, apresenta ao mundo que uma nova espécie animal descoberta no Chile. 26 exemplares do “super porco” serão enviados para países distintos, para que cada fazenda o crie de acordo com sua própria cultura local. A ideia é que os animais permaneçam espalhados ao redor do planeta por 10 anos. Após este período, um concurso que escolherá o melhor. Uma década depois, a jovem Mija (Seo-Hyun Ahn) que convive desde a infância com Okja, o super porco fêmea criado pelo avô, está prestes a perdê-la devido ao fim do concurso. Mija decide lutar para ficar ao lado dela, custe o que custar. No caminho ela vai conhecer de perto os problemas da sociedade de consumo.

Além de mostrar como que funciona a indústria nesse setor, Okja ainda apresenta a ação das entidades de proteção aos animais. O ator Paul Dano merece destaque nesse parte. As atuações caricatas de Jake Gyllenhaal (o rosto da companhia) e Tilda até nos fazem rir durante o longa, mas não se engane, você vai terminar chorando e com o coração apertado.

Sem spoilers, só posso dizer que o final não podia ser mais verdadeiro. Apesar de tem algumas falhas no roteiro, que fazem com que a narrativa fique confusa em alguns momentos, Okja é incrível. É a metáfora do que acontece diariamente em matadouros pelo mundo afora, nas grandes industrias que são movidas apenas pelo desejo de lucrar.

Ainda há a crítica ao uso desmedido de termos como orgânico e eco-friendy, que muitos se apropriam no marketing para vender uma boa imagem e que nós não pensamos duas vezes em consumir. Ainda há a questão da fome no planeta e o seu combate, tudo sempre incorporado ao discurso do capital. Saí dessa imersão com o pensamento de “o que eu estou fazendo?”. Tanto como uma consumidora quanto uma profissional de comunicação. Que discursos compramos? Que camisas vestimos? Okja é um filme para se pensar, e muito.

Não é uma história que te intima a virar vegetariano e/ou ambientalista radical. Ela só te pede para não ignorar a realidade de que a comida que chega ao seu prato tem muita história para contar e, na maioria das vezes, ela não é boa. Não vou dizer que o filme mudou a minha vida e que no dia seguinte não almocei carne. Eu até repeti! Alimentação também é algo cultural e isso não muda do dia para a noite, mas o incomodo permanece em mim e isso eu acredito que seja o potencial de mudança que o filme traz.

Para quem quiser se aprofundar no assunto da indústria da pecuária, a Paula Buzzo recomendou alguns documentários no canal dela. São imagens fortes, mas acima de tudo, são imagens reais.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Máscara de Hidratação Mágica Salon Opus 3 Minutos

Lembro que quando eu era adolescente passava as tardes de sábado inteiras com uma touca no cabelo pra ajudar a máscara de hidratação a trabalhar.

Hoje em dia eu não tenho mais todo esse tempo e nem paciência. Acredito que maquiagem e cosméticos devem nos ajudar e não dar mais trabalho ainda. Foi isso que chamou a minha atenção na Máscara de Hidratação Mágica Salon Opus 3 Minutos, que promete uma hidratação total em apenas 3 minutos.

Mascara-de-Hidratacao-Magica-Salon-Opus-3-Minutos-resenha-foto-D

Eu a comprei totalmente no aleatório, nunca sequer tinha reparado na marca. Buscava uma máscara com uma embalagem pequena/média, que não tivesse derivados de petróleo, fosse destinada a todos os tipos de cabelo, agisse rápido e, claro, tivesse um bom preço. Pedi muito e fui atendida.

Sobre a linha da qual a máscara faz parte, a marca diz “Sua formulação contém Repar Age, um complexo de aminoácidos, gluco-nutrientes e proteínas que resgata imediatamente a sedosidade, maciez e brilho dos fios”.

Dá pra passar o shampoo, aplicar a máscara e deixar ela agir enquanto você faz uma depilação ou esfoliação. A rapidez da sua ação permite que ela seja usada durante a semana mesmo, sem ter que aguardar o sábado, tradicional spa day, para renovar a hidratação capilar.

Amo o cheiro e a textura, que não é nem muito leve e nem muito densa. Ela rende muitas aplicações, pois não é necessário passar muito produto. Meus fios ficam macios e soltos. Eu estou com o cabelo bem curto, então qualquer ponta seca fica evidente, o que não está ocorrendo, pois uso o creme pelo menos duas vezes na semana.

Eu comprei só a máscara por R$12,00 (400g) em uma farmácia daqui de Belém, mas para quem quiser experimentar a linha completa (shampoo + condicionador + mascara) há kits saindo, em média, por R$30,00 nas lojas online.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Maybelline Baby Lips – Hidratante Labial

A saga da tentar tornar a hidratação um hábito continua e acho que no caso da resenha de hoje, em especial, eu tenho sido, de longe, muito mais bem sucedida.

Meus lábios são muito ressecados, do tipo que vivem rachados, descamando e até feridos. Normalmente os batons dão uma neutralizada nisso, mas nem sempre dá certo. É preciso que o cuidado seja constante.

Resenha Baby Lips, por Debb Cabral, do blog GatoQueFlutua

Pensando nisso, fui em busca de um hidratante labial e o mercado está cheio deles, com diferentes preços e cores. Desde janeiro deste ano venho usando o Maybelline Baby Lips Intense Care, que é incolor e tem um suave gosto de amêndoas. Retoco a todo momento e meus lábios estão muito hidratados e com uma aparência ótima.

O produto pode ser usado por mulheres e homens e deixa apenas um leve brilho nos lábios, nada muito evidente ou incomodo. Ele promete até 08 horas de hidratação e realmente persiste na boca, mesmo bebendo água e comendo um pouco. É um produto barato, que custa em média R$16,00 e dura meses mesmo com uso constante.

Além do Intense Care, o Maybelline Baby Lips está disponível também nas versões Cherry Me (cereja), Pink Punch (maracujá), Peach Kiss (pêssego), Fresh Care (menta) e Hydra Care (limão e manjericão). Estes dois últimos também são sem cor.

Possui FPS 20 e a chamada Centelha Asiática que favorece a produção de colágeno reparando os lábios, deixando-os macios e suaves, além de concentrados de células botânicas renovadoras.

Quem optar pelos coloridos pode até dispensar o batom, pois os lábios ficam com uma coloração bem bonita e natural.

DICAS DE USO
  • Aplicar antes do batom matte e depois tirar o excesso, isso evita que ele craquele com facilidade;
  • Misturar com açúcar e esfoliar os lábios;
  • Dar brilho em um batom de cor opaca;
  • Manter a sobrancelha no lugar, como um substituto do gel.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Eu, Robô

Eu, Robô – Isaac Asimov
Editora: Aleph
Ano: 2014
Páginas: 320
Compre: Amazon

Junho está sendo o mês de colocar as leituras em dia e isso e inclui o Desafio Doze Meses Literários. A temática de maio era ficção cientifica. Eu li Eu, Robô e não poderia está mais satisfeita.

Isaac Asimov foi muito feliz no seu livro. Ele traz diversos contos que podem ou não serem lidos de maneira linear. Esses contos nos apresentam os mais diversos tipos de robôs, desde aqueles autômatos, incapazes de falar, até os superinteligentes e tomam decisões que interferem na vida dos seres humanos.

Houve um tempo em que o homem enfrentou o universo sozinho e sem amigos. Agora ele tem criaturas para ajudá-lo; criaturas mais fortes que ele próprio, mais fieis, mais uteis e totalmente devotadas a ele. A humanidade não está mais sozinha. Já pensou sobre essa questão desde modo? (Pág. 15)

“Robbie”, “Mentiroso!”, “Um Robozinho Sumido” e “Evidência” são as minhas tramas preferidas. Gosto muito de Susan Calvin, a especialista que compartilha essas histórias. Apesar do estereotipo da mulher cientista antissocial, grossa e sem interesse no envolvimento humano; (que Asimov infelizmente escolheu), os contos em que ela participa ativamente são os mais interessantes.

Eu tenho um medo enorme de robôs. A ideia da servidão obrigatória deles me lembra muito a escravidão e isso não é nada bom. Se escravizar um igual historicamente já não deu certo, imagina escravizar um superior, como um robô, cujo cérebro consegue ir muito além dos nossos? A ideia de uma rebelião das máquinas no futuro sempre me pareceu inevitável e eu espero não estar aqui para ver isso, pois sei que o ser humano com certeza fará por merecer, uma vez que ele não consegue abandonar o poder e a sensação de superioridade que ele traz…

Toda a vida normal, Peter, de maneira consciente ou não, ressente-se da dominação. Se a dominação parte de um inferior, o ressentimento fica mais forte. No aspecto físico, e até certo ponto, no aspecto mental, um robô… qualquer robô é superior aos seres humanos. O que o torna servil então? Apenas a Primeira Lei! Bem, sem ela, a primeira ordem que você tentasse dar a um robô resultaria na sua morte. (Pág. 172)

As Três Leis da Robótica (princípios que regem os comportamentos dos robôs), presentes nas primeiras páginas de Eu, Robô, hoje não são somente ficção e estão na base dos estudos da área. O autor as apresenta de maneira simples e mostra que nem sempre os resultados são simples de se chegar. Se as circunstâncias influenciam na tomada de decisões dos humanos, imagine nas dos robôs?

É uma leitura essencial. Recomendo!

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob