O Gato leu: Orange is the new Black

Orange is the new Black – Piper Kerman
Editora: Intrínseca
Ano: 2014
Páginas: 304
Compre: Amazon

Eu estava louca para conhecer a história de Orange is the new Black. Nunca tinha visto a série e só sabia que se passava numa prisão feminina. Comecei a assistir ao seriado da Netflix assim que encerrei a minha leitura da obra original.

Orange is the new Black - livro - resenha

Me identifiquei muito com a Piper Kerman, acho que essa vontade de viver e experimentar é algo que todo mundo sente de uma maneira muito forte em alguma fase da sua vida.

Piper tinha a vontade e queria arriscar. A aventura a levou à um romance lésbico com Nora que trabalhava para o tráfico internacional de drogas. Depois de viver intensamente e se arriscar demais, Piper caiu na real e abandonou a relação com Nora e com os seus crimes. Porém, anos depois, a intimação e a prisão trazem a tona novamente suas aventuras e mentiras.

Sentia-me desconectada do mundo bem à minha frente, uma pessoa sem propósito e sem lugar. Não era essa a aventura que eu ansiava. Mentia para a minha “família” sobre todos os aspectos da minha vida e estava ficando cansada da minha “família” adotiva do mundo das drogas. (Pág. 23)

Em Orange is the new Black ela diz que sempre achou que sua força viesse do pensamento de que ela sempre estava só para viver e encarar as coisas, mas foi na prisão que percebeu o quanto que suas escolhas afetam todos que estão ao seu redor. A fraqueza e o deslumbramento pelo novo, aliado ao gosto pela aventura a levaram lá para dentro e cabia a ela encarar e amadurecer através disso.

Ela queria ir para longe para não ter que ouvir o julgamento daqueles que amava a respeito de seus atos. Em uma pena de 15 meses em uma prisão de segurança mínima ela tem as experiências e vivências que levam a sua redenção. Sem forçar a barra ou querer dar lição de moral, Orange is the new Black é verdadeiro e comove.

No mundo livre, sua casa pode ser um refugio tranquilo depois de um longo dia de trabalho; na prisão, nem tanto. (Pá.105)

Os julgamentos e preconceitos são muito comuns a várias presas. Muitas vezes percebi que julgava como a Piper e da mesma maneira que ela, me senti envergonhada por meus pensamentos.

Alguma vez na minha vida eu eu ficaria tão dependente da generosidade de estranhos? E, no entanto, elas eram generosas. (Pág. 58)

Apesar da barra pesada da prisão, durante a sua trajetória o que mais ficou de mensagem do livro Orange is the new Black foi o carinho, a admiração e o respeito com o qual Piper falava sobre cada uma das mulheres que encontrou e que, cada uma a sua maneira, mudou a sua vida. Eu aprendi muito com isso.

As mulheres que encontrei em Danbury me ajudaram a enfrentar as coisas que eu tinha feito de errado, assim como as coisas erradas que eu tinha feito. Não era apenas apenas a minha opção de fazer algo ruim e ilegal que eu precisava reconhecer;era também o meu estilo loba-solitária que havia ajudado a cometer esses erros e frequentemente tinha agravado ainda mais as consequências das minhas ações para aqueles que eu amava. (Pág. 279)

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob