O Gato leu: O signo dos quatro

O signo dos quatro – Sir Arthur Conan Doyle
Editora: Melhoramentos
Ano: 2011 (integra um box com outros dois livros)
Páginas: 232

Um pouco de Sherlock Holmes sempre deixa a vida melhor.

GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

No romance, a jovem Mary Morstan procura pelos serviços do detetive, ela quer saber o que aconteceu  de verdade com seu pai. Ele está morto e ela, quatro anos após a morte dele, começa a receber anualmente uma pérola valiosa enviada de maneira misteriosa.

Seis anos se passam assim, até que um dia Mary recebe um bilhete da mesma pessoa que lhe enviava as pérolas, marcando um encontro. Curiosa, mas sem saber que decisão tomar, ela pede a ajuda do detetive e do seu fiel assistente Dr. Watson para desvendar os mistérios.

A Srta. Morstan vestia uma capa escura, e seu rosto delicado estava sereno, embora pálido. Ela não seria uma mulher normal se não sentisse um certo desassossego quanto à estranha missão em que estávamos embarcando. Mesmo assim, seu autocontrole era perfeito, e prontamente respondeu às perguntas adicionais que Holmes lhe fez. (Pág. 35)

Mary é uma personagem maravilhosa, vemos retratada uma mulher forte daquela época. Sua relação com os rapazes, nessa trama que tem uma boa dose de ação, também é muito boa.

Em O signo dos quatro vemos a dupla Sherlock e Watson como realmente é, com a confiança, a parceria e o trabalho em equipe. Muitos pensam que o detetive da rua Baker usa métodos extraordinários, mas nessa história vemos que é da simplicidade quem vem a solução de seus enigmas. De maneira brilhante ele consegue preciosas informações. Sherlock, ao observar o outro, sabe muito bem o que fazer, dizer e como fazer, como numa dança em que ele conduz de maneira sutil e quase que imperceptível.

– Ele afirma que, ainda que o homem seja, individualmente, um enigma insolúvel, no grupo torna-se uma certeza matemática. Por exemplo, nunca se pode predizer como um homem irá agir. Mas pode-se dizer com precisão o que, na média, os homens fazem. (Pág. 167)

O Gato leu: A vampira de Sussex

A vampira de Sussex – Sir Arthur Conan Doyle
Editora: Melhoramentos
Ano: 2011 (integra um box com outros dois livros)
Páginas: 240

Sherlock Holmes de bolso é uma coisa linda <3

Blog_GatoQueFlutua_Foto_Debb_CabralNessa edição encontramos seis dos doze contos publicados originalmente em The Case-Book of Sherlock Holmes, de 1927. As aventuras são: “A Pedra Mazarino”, “A Ponte de Thor”, “O Homem Que Rastejava”, “A Vampira de Sussex”, “Os Três Garridebs” e “As Três Empenas”.

– O Sr. Holmes sempre sabe tudo que há para se saber. (Pág. 09)

São histórias sobre o ilustre detetive que haviam ficado guardadas por muito tempo. Cada narrativa é um misto de suspense e mistérios intrigantes, que só o grande Sherlock seria capaz de desvendar. Eu gosto muito mais de ler os contos do que as novelas de Sherlock, pois tenho preferência por esses pequenos drops de suspense.

– Olhe aqui, Holmes, isso não está cheirando bem. O sujeito está desesperado, não tem nada a perder. Pode ter vindo para assassinar você. (Pág. 15)

A trama que mais gostei foi a d’Os Três Garridebs’. Ela conseguiu reunir muito bem todas as características clássicas das histórias do detetive da Baker Street. Algumas história não são narradas pelo Dr. Watson, mas prefiro as que são. Adoro ver ele descrevendo ou falando sobre o amigo excêntrico.

Sabe, Holmes – eu disse, balançando a cabeça -, acho que está indo longe demais com a ideia. (Pág. 96)

Eu já resenhei aqui outro livro que integra esse box, que foi Um estudo em vermelho, a primeira aventura da dupla formada por Sherlock Holmes e Dr. John Watson.