O Gato viu: Star Wars: Episódio VIII – Os Últimos Jedi

Dezembro já se tornou o mês de Star Wars. Com os diversos projetos que a Disney tem para a saga creio que essa tradição irá se manter por muitos anos.

Recentemente fui assistir a Star Wars: Episódio VIII – Os Últimos Jedi. As expectativas estavam grandes para este filme, uma vez que O Despertar da Força foi um sucesso e Rogue One, uma grata surpresa. O medo em torno do longa girava a partir da expectativa dele ser uma versão nova do Episódio V – O Império Contra-Ataca, clássico considerado por muitos como o melhor filme da franquia.

Mas se há algo que Star Wars sabe fazer, é ser atual, mesmo que isso signifique, até mesmo, desmistificar a lenda. Na trama, Rey encontra Luke Skywalker vivendo solitário exilado em uma ilha isolada.  A jovem, que mostra fortes sinais da Força, deseja que o Jedi a treine e ensine a ela formas de derrotar Kylo Ren e a Primeira Ordem, salvando assim a galáxia e seus amigos da Rebelião.

Luke não quer fazer parte disso, ele se recusa a treinar um novo Jedi devido ao passado, quando fracassou com seu sobrinho que foi para o lado negro. Enquanto isso, Kylo Ren e o General Hux lideram a Primeira Ordem para um ataque total contra a General Leia Organa e a Resistência pela supremacia da galáxia.

Com Rey longe, caberá a Finn, Poe, BB-8 e os outros rebeldes a luta pela liberdade. Mas será que apenas a força de vontade deles será forte o suficiente para deter o avanço do lado negro?

Neste segundo filme senti muito mais história e um espaço mais dividido na trama entre todos os personagens. Rey está com Luke na ilha, mas o filme não é só sobre eles, é sobre todos aqueles que lutam contra o avanço do mal. Novos personagens surgiram e vi que eles não foram muito bem recebidos por alguns espectadores. Lembrem-se, Star Wars é mais do que batalhas com sabres de luz, é sobre pessoas lutando por liberdade.

Nossos personagens principais passam por conflitos e são esses novos rostos que estão por perto quando isso ocorre. Eles não são desnecessários, basta vocês olharem para o arco do Finn neste novo filme. A guerra está presente em todo lugar da galáxia, mesmo quando não enxergamos seus embates diretamente.

Vemos um Luke Skywalker diferente de todos os que já vimos antes e isso deu mais profundidade ao personagem. Os Jedi sempre exilam quando algo dá errado, vimos isso com Obi-Wan Kenobi e com o Mestre Yoda. Luke seguiu o caminho deles, mas sua dor era diferente. Ele sentia que tinha falhado com a galáxia, Leia, Han, Ben e com ele mesmo. Daí talvez a sua maior magoa. Rey o encontrará neste estado de isolamento e ele não quer ser perturbado por nada que ela venha lhe dizer. Pessoas são cinzas, elas não são totalmente bondade ou maldade, elas são sensíveis a tudo isso. Até mesmo o nosso símbolo do bem, o jedi Luke Skywalker, deixa o manto de lenda mítica diante dos nossos olhos.

Gostei muito de ver mais personagens femininas neste novo capitulo da saga. A atriz Carrie Fisher não está mais entre nós para viver a Princesa/General Leia Organa, mas dela surgiu a inspiração para milhares de meninas nesta e em outra galaxia muito distante. A Força está presente em tudo e em todos. É isto que Star Wars: Episódio VIII – Os Últimos Jedi trouxe como ensinamento. Todos nós temos uma fagulha dela, resta saber o que faremos quando a colocarmos em ação.

Que venha mais Star Wars!

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob