Tag – Diferentona

Eu gosto de formatos diferentes de posts, de buscar outras formas de falar sobre livros sem ser através do formato tradicional das resenhas e, por isso, fiquei muito feliz quando o Everton Assis do SOODA Blog me falou do Book Club.

Ele é uma network de blogs e tem duas postagens fixas mensais, que são: resenha de um livro sugerido pelo grupo e uma blogagem coletiva. Eu não tenho a leitura da vez, mas não podia deixar de responder a TAG!

A TAG desse mês é bem leve e divertida e vai ajudar vocês a conhecerem o meu lado mais “diferentona”, rs. Vamos lá?

TAG Diferentona_Foto_Debb Cabral_GatoQueFlutua_blog

01. Só eu que li? ( Um livro que a maioria das pessoas desconhece, mas você leu)

A Procura de Vida Inteligente, do Victor Allenspach. É uma ficção científica nacional lançada de maneira independente pelo autor. O livro é cheio de analogias entre homens e robôs e ainda tem muita referência à Douglas Adams. Eu gostei muito e recomendo que vocês conheçam o trabalho dele!

02. Só eu que não gostei? (Um livro aclamado, menos por você)

Batman – A Piada Mortal, de Alan Moore e Brian Bolland. Polêmico, não é mesmo? Essa obra é muito cultuada entre os fãs de quadrinhos, mas eu não curti e tenho muitos problemas em relação à trama.

03. Só eu que vi apenas o filme? (Um livro que você quer muito ler, mas só assistiu ao filme)

Laranja Mecânica, de Anthony Burgess. Eu adoro o filme, mas infelizmente, nunca li o livro. Em breve isso vai mudar pois consegui uma edição através de uma troca no Skoob!

04. Só eu que não li nada dele(a)? (Um autor famoso de quem você nunca leu um livro)

H.P. Lovecraft. O cara revolucionou o gênero de terror, criando inclusive, elementos fantásticos para este. Lovecraft está na lista das próximas leituras porque tenho uma edição de A Cor que Caiu do Espaço aqui em casa e em breve vou contar para vocês o que achei da escrita do autor.

05. Só eu que gostei do malvado? (Um livro com um vilão – ou não-herói – pelo qual você torceu mais do que pelo mocinho)

Leatherface. O Massacre da Serra Elétrica (1974) é o meu filme de terror preferido. Eu gosto muito de histórias sobrenaturais, mas são aquelas com vilões bem humanos que me assustam mais. Leatherface e sua família são icónicos nesse sentido e o livro da DarkSide com bastidores sobre o filme só reforça o meu pensamento.

06. Só eu que acho que panela velha é que faz comida boa? (Um livro já desgastado, mas que você ama)

O Menino que quase morreu afogado no lixo, da Ruth Rocha. Acho que esse é o meu livro mais antigo, era das leituras do colégio. A história que ensina, de maneira divertida, sobre a importância de ser responsável desde pequeno pela sua organização e limpeza, me cativa até hoje.

07. Só eu que leio nacionais? (Um autor nacional que você adora)

Andrei Simões. Literatura de terror no Pará é com ele! O Andrei consegue nos deixar apreensivos e desolados com suas histórias assustadoras. Já li PutrefaçãoLuz, O deus do horror e recomendo muito!

08. Só eu que amo clássicos? (Um livro clássico que você gostou)

O Vermelho e o Negro, de Stendhal. A  história se passa no período que sucede a Revolução Francesa e tem muita critica social, politica e moral presente.

09. Só eu que li antes de virar filme? (Um livro que foi/vai ser adaptado para o cinema e você leu antes)

Guerra Civil, de Mark Millar & Steve McNiven. Gostei muito desse quadrinho ele é bem questionador e atemporal. Gosto muito do filme também, apesar da história ter tido mudanças bem drásticas. Pra mim, eles são histórias bem diferentes, mas cada uma com o seu lugar no meu coração.

10. Só eu que odiei o protagonista? (Um personagem principal que você odiou)

Sara, de Triângulo de Quatro Lados, de Adelina Barbosa e Fernanda Medeiros. A Sara é aquela protagonista que só sabe fazer drama por causa de namoro, ela me deu nos nervos muitas vezes durante a leitura.

Gostaram da ideia do Book Club?
Conhecam o grupo e façam parte dele!

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Luz, O deus do horror

Luz, O deus do horror – Andrei Simões
Editora: Twee Editora
Ano: 2016
Páginas: 224
Compre: site da editora

Como achar palavras pra descrever o trabalho de Andrei Simões? É difícil.

Talvez bastasse dizer que desde que li Putrefação, seu primeiro livro impresso, decidi que quero ser cremada e nunca enterrada em um caixão. Não é bobagem, ele é um livro que me marcou, me traumatizou. É uma história que ainda está viva dentro de mim.

6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral

Minhas expectativas para Luz, O deus do horror não eram pequenas. Andrei é um escritor de horror e realismo mágico, além de um profundo pesquisador da área. Basta uma conversa com ele e você vai notar as diversas referências em sua fala.

Quando comecei a ler, pensei que Luz seria bem mais tranquilo (e menos traumatizante) do que foi o Putrefação. Grande engano. Diversas vezes, ao fechar os olhos para dormir, a história insistia em morar em meus pensamentos e se alimentar dos meus medos.

Experiência nada mais é do que tolerância à dor e maturidade é simplesmente não se importar a ponto de não doer mais ou pior, acostumar-se a apanhar. (Pág. 133)

Na história, um jovem atormentado do pela morte do irmão está em uma jornada de vingança que vai além das fronteiras do absurdo. Ele conta com a ajuda de uma amiga simplesmente em busca de justiça.

Luz é um romance seriado, onde cada capítulo encerra uma história, escrita ora nos moldes do terror minimalista e filosófico, ora no antimolde da subversão de gênero. Porém, conforme avançamos as histórias, percebemos que apenas uma é contada, que une, interliga todas as outras.

… todos nós, apenas gado no pasto, esperando o momento do abate. (Pág. 137)

São histórias que nos apresentam seres de existência impossível, na forma de anjos, que semeiam e colhem medo, para uma poderosa entidade que reside na mais profunda escuridão. A morte do irmão do jovem nada mais é do que uma pequena parte da mostra do controle que o deus do medo exerce sobre a humanidade. Este é um livro para irmos além de nossas crenças.

Talvez a verdade não signifique felicidade. E quem foi que disse que um deus poderoso é um deus bom? Não há benevolência no poder. Não há bondade naquele para o qual somos apenas joguetes. Inclusive, me assusta (mas não deveria), ver a prontidão com que o ser humano aceita as ofertas sombrias e a preço de sangue que lhes são oferecidas.

… o amante da vida descobrira que a morte é apenas uma benção diante do mundo amaldiçoado pelo deus do pavor. (Pág. 144)

Comecei a ler e até o sexto conto estava achando tudo tranquilo (na medida do possível para uma trama que já começa com o assassinato de uma criança), mas dai em diante, toda a amarração desta realidade aterradora que o Andrei criou começou a tomar forma com força total. Paranóia, insanidade, desilusão.

Se em Putrefação fiquei com um trauma, Luz me fez ficar com o pé atrás ao me deparar com bonecas, noivas, insetos, palhaços e outras atrocidades da vida cotidiana.

Fiquei imaginado ler esse livro para uma criança, pois cada conto se encerra como uma história bem assustadora. Com certeza acabaria em choro. Mas como adulta, lendo o livro é possível ver toda a filosofia por tras. À primeira vista temos o pavor, ao olhar com mais atenção temos uma reflexão profunda sobre a vida e a morte. Quem duvida que ao final dela não acabaremos chorando também?

Em seus braços, não havia como matá-lo, pois ao ter olhado para o abismo, o abismo olhou para ele. (Pág. 171)

Luz, O deus do horror é o terceiro volume das “Crônicas da Não-existência”, que começou com Putrefação e Zon, o rei do nada (este ainda tenho que conferir). Dá pra ler o primeiro capítulo no site da Twee.

Não há esperança. Vinde a mim e morra.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

6 on 6 – Outubro 2016 – Especial Halloween

Como sempre o 6 on 6 sai aos poucos, mas sempre sai!

Desta vez eu não sabia muito bem o que mostrar,mas ai tive a ideia de usar esse espaço para recomendar livros de terror, horror, suspense e tudo mais que se possa relacionar com o Halloween. 

Eu adoro os gêneros que citei acima e os livros abaixo são bem trevosos.

6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral 6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral 6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral 6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral 6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral 6on6 - Outubro - 2016 - GatoQueFlutua - Foto - Debb Cabral

01. Visagens e Assombrações de Belém – Walcyr Monteiro (Smith Editora): Clássico da literatura paraense, este livro é uma compilação de contos e histórias fantásticas que povoam o imaginário da cidade. Walcyr Monteiro é um militante na resistência para que a cultura popular não se perca. Como boa paraense que sou, não podia deixar de começar com essa indicação.

02. Psicose – Robert Bloch (DarkSide Books): O livro que inspirou o clássico filme de Alfred Hitchcock. Eu a versão cinematográfica, mas o livro consegue ser ainda melhor. O grande diferencial aqui é que estamos na cabeça perturbada do Norman Bates, nós pensamos como ele, isso é algo que o filme não nos dá.

03. O Quarto Vermelho – Nicci French (Editora Record): Se você curte tramas policiais, então esse é o livro! Nele acompanhamos a psiquiatra criminal Kit Quinn enquanto ela ajuda a policia em uma busca para encontrar um serial killer na cidade de Londres.

04. Luz, O deus do horror – Andrei Simões (Twee Editora): Claro que eu tenho que citar o grande nome do terror paraense, ainda mais que esta é a minha leitura atual. Nesse romance seriado, o Andrei consegue nos deixar angustiados e sem esperanças. Ele é o mesmo autor de Putrefação, livro com meu tipo preferido de final, aquele que é desolador.

05. Hellraiser – Renascido do Inferno – Clive Barker (DarkSide Books): Claro que vai ter mais de um livro da DarkSide por aqui, ela é o grande nome em edição de livros do gênero no Brasil. Fique surpreso de não ter só livros dela por aqui, rs. Hellraiser é um dos meus favoritos, adoro como o Clive consegue mostrar que prazer e dor são separados apenas por uma linha bem tênue. O Andrei, que citei acima, tem o autor como grande referência.

06. A Zona Morta – Stephen King (Ponto de Leitura): Pra encerrar, não pode faltar o mestre, Stephen King! Este livro está na minha meta literária deste mês para o projeto All About King. A Dalissa, que nunca havia lido nada do autor, se apaixonou pelo livro e disse que é uma boa indicação pra quem quer começar a ler os livros do rei do horror.

Espero que tenham gostado! 🙂

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Andrei Simões lança seu novo livro “Luz, O deus do Horror”

Eu estou muito feliz em compartilhar com vocês que, no dia 04 de outubro, às 18h, no Sesc Boulevard, em Belém, o escritor paraense de terror e horror Andrei Simões vai lançar o terceiro livro impresso da sua carreira!

Depois de ler Putrefação eu virei fã do autor e da sua escrita direta e impactante. Eu conheço o Andrei e ele é um cara com muito conhecimento e boas referencias, por isso estou muito curiosa para ler Luz, O deus do Horror, seu novo livro.

Andrei Simoes_blog_Foto_Debb_Cabral

Esse trabalho conta com ilustrações do paulista Eduardo Seiji e projeto gráfico e editorial de Flor di Maria Fontelles. A obra inaugura a linha de terror da Twee Editora. Incrível, não é mesmo?

Se liga na sinopse!

Luz, o deus do Horror

E se o regente deste mundo não se chamasse Amor?

            E se o medo fosse o alimento e instrumento de controle de um deus humano, demasiadamente humano?

            Obras de terror vão muito além do susto e do medo. Elas podem também servir para nos fazer pensar sobre a nossa realidade e a do mundo.

            Entrando em uma espiral descontrolada de seres que habitam os pesadelos mais assustadores da espécie humana, a boneca, o fantasma de uma criança, o monstro da estrada, o quadro mal-assombrado e outros arquétipos do gênero, as personagens deste livro se depararão com o mais puro horror e descobrirão verdades que poderão alterar o curso da própria vida humana.

            A cada capítulo, histórias de um terror absoluto serão contadas, através de gritos ecoantes em vários lugares do mundo, de uma capital na Amazônia brasileira a um esquecido vilarejo chinês; todas diretamente interligadas, em um romance seriado que se direciona a um clímax épico, surtado, filosófico e inesquecível.

            Afogando-se no próprio sangue, o ser humano conseguirá se libertar das correntes que ele mesmo criou para si?

            Na intensidade de um soco literário, Luz é um retrato atualíssimo sobre a ausência de crença em nossas existências, diante de um mundo de alienação social e religiosa que nos impõe nada além de medo e controle, o vigiar e punir de cada dia.

            Divertido. Apavorante. Reflexivo.

            Uma homenagem e ao mesmo tempo uma profunda e original subversão ao gênero.

            Permita-se. Abra este livro e entenda que só amamos a luz porque temos medo do escuro.

✚ Pra quem ficou curioso, dá pra ler o primeiro capítulo aqui, além de poder comprar o livro na pré-venda também e concorrer a uma edição especial com capa de couro e autografada!

.

andrei-simoes-escritorAndrei Simões

Utilizando filosofia, ciência e ocultismo, navegando entre o realismo mágico e o horror, Andrei Simões procura instigar e provocar o leitor, com literatura minimalista, direta e profunda, utilizando de símbolos obscuros do inconsciente para trazer à tona difíceis, mas necessárias reflexões sobre a vida e a morte. O escritor nasceu em Belém do Pará, é biólogo e mestre em comportamento animal. Andrei tem outros dois livros publicados em papel, Zon, O Rei do Nada e Putrefação.

SERVIÇO

Lançamento do livro Luz, O deus do Horror, de Andrei Simões com ilustrações de Eduardo Seiji.
Data: 04 de outubro de 2016, às 16h
Local: Centro Cultural Sesc Boulevard
Endereço: Boulevard Castilhos França, 522/523 – Campina

PROGRAMAÇÃO

  • 18h às 20h40 – Lançamento do livro Luz, O deus do Horror com sessão de autógrafos.
  • 19h – Acústico sombrio com Marcelo Kahwage.

* Durante o evento haverá performances com o artista Gilberto Guimarães Filho e recitação de trechos do texto do autor.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Putrefação

Putrefação – Andrei Simões
Editora: Novo Século
Ano: 2005
Páginas: 96

A primeira resenha de 2016 é de um livro nacional, mais especificamente, de um autor paraense. Já estou começando o ano bem! 🙂

GatoQueFlutua_blog_Foto_Debb_Cabral

Putrefação é um livro que fala sobre a vida através da morte. Um homem está morto e consciente de tudo. Dentro do caixão sente o peso da vida que levou, das escolhas que fez, das palavras que disse e das que deixou de dizer. A principio pode parecer um Memórias Póstumas de Brás Cubas, clássico de Machado de Assis, mas isso ocorre só no inicio.

Quando nos poços pútridos de omissão e falta de vontade, simplesmente nos satisfazemos com qualquer coisa. A vontade verdadeira é a alma do homem. (Pág. 17)

Brás Cubas começa no caixão e depois a história pouco se lembra dele. O personagem de Simões, o sujeito sem nome que poderia ser qualquer um, nunca deixa de sentir o que é estar a sete palmos da terra, o que é ser consumido.

Direto, descrente e deliciosamente sádico, Putrefação é um livro que se lê com todos os sentidos alertas. Ficamos aflitos e claustrofóbicos tal qual o protagonista.

Aquela escuridão era o inferno do qual todos os seres humanos fogem, o inferno do que não se vê. Todos os medos humanos são derivados da mesma fonte, a treva do desconhecido. (Pág. 36)

Lembramos quais foram os momentos em que de fato nos sentimos vivos. Esse é um livro curto e denso, sua reflexão permanece em nossas mentes muito tempo após a leitura.

Um retrato sobre a vida a partir de seu fim, um olhar sobre o que deixamos passar, sobre a nossa existência.

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob