O Gato foi: Exposição Alistamento, de Éder Oliveira

Há mais de 10 anos Éder Oliveira desenvolve trabalhos relacionando retratos e identidade, tendo como objeto principal o homem amazônico. Nascido em Timboteua, na região do Salgado paraense, Éder é formado em Educação Artística – Artes Plásticas, pela UFPA.

Ele é daltônico e utiliza isso em seu favor na hora de construir seus trabalhos. Pinceladas marcadas e cores fortes mostram esse seu olhar “diferente” sobre a realidade. Ele consegue, como poucos, chegar no tom de pele que mistura os traços do negro, do branco e do índio. O homem comum e anônimo é o objeto retratado. Às vezes uma cor se sobressai, mas nunca é algo feito à toa.

Aqui em Belém os trabalhos dele já são bem conhecidos, muros tem estampados rostos de homens da periferia da cidade. Homens que deixamos à margem das nossas vidas. Homens invisíveis.

Na 31ª Bienal de São Paulo, o mural dele com rostos de suspeitos de crimes, que foram tirados das páginas do jornais paraenses, mostrou o estigma do caboclo amazônico como o bandido. Um reflexão sobre a condição social desse individuo.11078255_445635108946876_2885289830346153209_nAgora, em Alistamento, Éder fez uma convocatória feita a jovens alistados nas Forças Armadas. Aqui novamente o cabloco amazônico é visto, porém do outro lado da história. Para a mostra, os participantes foram fotografados e entrevistados a respeito de temas como identidade, militarismo e violência, e suas respostas e histórias fizeram parte do processo de investigação e construção dos trabalhos expostos, entre óleos sobre tela, objetos, site-specific e videorretrato.

Com curadoria de Marta Mestre, o projeto foi contemplado pelo Ministério da Cultura e pel​o​ Edital Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais 2014, e conta com o apoio do Sesc Boulevard e da galeria Blau Projects.

É uma exposição incrivel e vale muito a pena conferir! Quem não for de Belém, pode acompanhar o trabalho dele pela fanpage.

SERVIÇO
ALISTAMENTO”​, ​​individual ​de Éder Oliveira​

Período: 29 de maio à 12 de julho
ter-sáb: 9h-19h | dom: 9h-13h

Local: Centro Cultural Sesc Boulevard – Boulevard Castilho França, 522/523, Campina, Belém – PA

​(91) 3224 5305 | 3224 5654

Entrada franca

O Gato foi: Exposição fotografica “Três Cores e uma Paixão”

Eu não fui à  XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro só pra comprar livros, fui também pra conferir a minha foto na exposição Três Cores e uma Paixão!

Exposição fotográfica Três cores e uma paixão - Debb Cabral

Agora que a Feira encerrou,  a exposição está em exibição na Estação das Docas, até 13 de julho, com entrada franca!

Na mostra, imagens que representam a brasilidade. Nela estão trabalhos de Debb Cabral, Dula Lima, Elza Lima, Fatinha Silva, Geraldo Ramos, Janduari Simões, Miguel Chikaoka, Paulo Santos, Rafael Araújo, Tchello d’Barros, Valério Silveira, Wagner Okasaki e Wagner Santana. A curadoria é de Emanuel Franco.

Foto: Márcio Ferreira/Agência Pará

Decorações e manifestações que remetem a Copa do Mundo dão o tom da exposição que objetiva mostrar uma Copa que acontece fora dos estádios.

Visite! 🙂
Exposição fotográfica “Três cores e uma paixão”
Visitação: até 13 de julho de  2014
Horário: das 10 às 22h
Local: Armazém 2 da Estação das Docas (Av. Boulevard Castilhos França, s/nº – Campina).
Entrada gratuita

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato foi: Exposição “Entreato da luz” de Luiz Braga

Tem fotógrafos que se acomodam. Consagrados, eles ganham dinheiro com a venda de suas obras, palestras, cursos e etc. Porém, parece que toda a foto nova que fazem nós já vimos. O trabalho deles dá a impressão que parou no tempo. E eles também.

Com Luiz Braga isso não aconteceu.

Entreato da Luz

O fotógrafo paraense é premiado e tem suas fotos como parte de grandes acervos nacionais e internacionais. Braga tem um trabalho diverso. Seu domínio da luz e da cor possibilitou uma nova abordagem da visualidade amazônica, passando longe dos estereótipos aos quais já estamos acostumados.

Sua obra se confunde com sua vida: momentos em que fotografava compulsivamente; em que se sobressaiu mais a cor; o preto e branco; os Nightvisions e agora na mostra Entreato da luz que está em exposição no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas.Ele se lançou ao novo, seja na forma de expor com o tríptico “Menina e carvão” ou na “Banhista de Outeiro” que permanece no Museu, mesmo quando sua foto já foi retirada da parede. A imagem de Dauana Parente, modelo para a série de fotos, mostra a marca da imagem não só como obra, mas como parte da vida de Luiz.

A violência o expulsou da cidade e ele foi buscar refugio em lugares como o quilombo do Pau Furado, em Salvaterra, no Marajó, onde encontrou os reais contornos da luz na afetividade das pessoas.

Ele poderia ter parado, ter feito mais do mesmo e seguir assim. Mas não fez. Luiz Braga se lançou ao novo e vem realizando trabalhos de acordo com suas inquietações pessoais.

Tive a experiência de ir visitar a exposição duas vezes, em ambas o artista guiou o grupo em que eu estava. Ouvir o próprio Luiz falar sobre o seu trabalho, ainda mais naquela exposição totalmente ousada foi incrível. A sensibilidade do trabalho só é mais reforçada ainda depois disso.

Visitem! A exposição “Entreato da Luz” segue aberta até domingo (29), no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas, das 10 às 22h. A entrada é franca.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob