Perfis da Barbie para seguir no Instagram

A boneca mais famosa do mundo está sempre por dentro das novidades, não é mesmo? Pois a Barbie tem vários perfis no Instagram, mas eu separei dois deles, bem distintos, que se destacam pela qualidade.

Neste perfil a Barbie é tipo uma blogueira de moda. Ela posta o look do dia, o detalhe de uma peça, faz selfie, compras e se diverte com as amigas. Uma it girl completa! É um perfil oficial da Mattel, empresa dona da boneca. A Barbie Style conseguiu um destaque tão grande que faz publicidade de outras marcas e produtos, tal qual uma blogueira de verdade, além de estar presente em cerimônias e eventos.

As crianças, público original da Barbie, crescem e pra não perder esses fãs o perfil surgiu. Ela incorporou a personagem e dá show.

@playbrinks

Esse perfil aqui já é beeeem diferente. Eric Bauer criou uma revista fictícia chamada Playbrinks que tem uma conta no Instagram. Neste perfil ele mostra ensaios produzidos com bonecas Barbie fazendo referências à ensaios da revista masculina Playboy. 

Assim como no perfil anterior, neste aqui também rola muita produção e tratamento de imagens. A qualidade é incrível. Pra quem curte fotografia, como eu, é algo genial!

E ai, curtiram?

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

A fofura da Fofys Factory

Adoro marcas com jeito carinhoso de fazer as coisas, feitas à mão, uma por uma com todo o cuidado e dedicação.

Foi assim que conheci a Fofys Factory.

Fofys Factory - gatos (2)

A Carol e a mãe dela fazem produtos artesanais como bolsas, necessaires, passando por bolsinhas para celulares a artigos para bebês e cozinha. Tudo com uma carinha kawaii e cheios de amor. A FofysFactory fica em Florianópolis, Santa Catarina.

Recentemente participei do #catloversday e ganhei um mimo da FofysFactory, um Porta-lingerie de Gatinhos!

Olhem as fotos!

Fofys Factory
Fofys Factory
Fofys Factory

Eu amei o meu presente e estou fazendo esse post pra apresentar a marca para vocês, pois além do produto ser lindo e de excelente qualidade, o atendimento é super gentil e amável.

Eu já estou de olho nos produtos da linha Beterraba & Calabresa que homenageiam os gatinhos. 🙂

Vale a pena conferir!

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Cores do Brasil em exposição na Oca

Em fevereiro eu me inscrevi em uma oficina de fotografia ministrada pelo fotógrafo Tuca Vieira. Eu já conhecia o trabalho do Tuca e tinha muito interesse em aprender com ele. O que eu não sabia era que a oficina fazia parte de um projeto maior.

Cores do Brasil - Foto Cecília Lucchesi - Belem (2)

Cores do Brasil - Foto Cecília Lucchesi - Belem (1)
Fotos: Cecília Lucchesi

Uma união multidisciplinar entre moda e responsabilidade social – esse é o projeto Cores do Brasil, que convidou o Tuca para ministrar oficinas de fotografia aos jovens de Belém, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo. As cenas do nosso cotidiano resultaram em um acervo de mais de 12 mil imagens, e alguns desses cliques viraram estampas digitais pelas mãos dos estilistas Bruno Basso e Christopher Brooke, da dupla Basso & Brooke.

Agora tudo isso poderá ser visto em uma exposição que começa amanhã (03 de julho), na Oca, em São Paulo! 😀 

A exposição Cores do Brasil tem direção dos estilistas Bruno Basso, que é brasileiro, e Christopher Brooke, inglês. Idealizada por Didi Rezende, do Estúdio Oitavo Andar, e Kalina Bourgeois, da Urban Jungle Art. A cenografia é do atelier Marko Brajovic, curadoria é de André Stolarski e a curadoria fotográfica é de Tuca Vieira.

Foto: Blog “Pronto, usei”

✚ Eu não poderei estar em São Paulo para conferir, mas agradeço muito à Didi, Kalina e Tuca pela oportunidade de participar do projeto! <3

✚ Acompanhe as ações pela fanpage Cores do Brasil.

SERVIÇO
Cores do Brasil
Local:  Oca – Parque Ibirapuera – Avenida Pedro Álvares Cabral, Portão 3 – Vila Mariana, São Paulo/SP
Visitação: 03 de julho à 02 de agosto de 2014.
Horário de funcionamento: terça à domingo, 09h às 21h.
Entrada gratuita.
Informações: (11) 3105-6118

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

No clima da Moda – A adaptação climática e social da moda em um paralelo entre a Belém de 1897 e a de 2013

Quem conhece Belém sabe o calor é uma de suas marcas registradas. Não temos estações definidas, e o nosso inverno (de dezembro a abril) é o período que mais chove nesta região. A população adapta as tendências da moda mundial ao calor local.

Se hoje a mulher e o homem contemporâneos de Belém podem ir trabalhar de bermuda (dependendo do emprego, claro), em 1897 as coisas eram bem diferentes. Nos jornais como A Folha do Norte e a Província do Pará que circulavam na época, encontrávamos anúncios de luvas, casacos, botas e outros artigos à moda europeia.

Casal paraense vestido à moda européia. Foto: Fidanza (Acervo Guy Veloso)
A Belém de antigamente era de temperatura um pouco mais amena, pois não tinha o asfalto em brasa cobrindo grande parte da cidade, e nem os enormes edifícios formando ilhas de calor, impedindo que o vento circule.
A polução mais abastada adquiria tecidos importados em lugares como a loja “Paris N’América”, em funcionamento até hoje.
A cultura europeia era importada e artificial, não condizia com a nossa realidade amazônida. Belém era quente e sem infraestrutura, grande parte sua população não tomava banho em locais privados, mas sim, nos espaços públicos, onde estavam localizados poços e fontes, além é claro do litoral banhado pelo rio Guamá.
O calor era grande, e a preocupação com a preservação da moral era maior ainda, tanto que Antônio Lemos, (intendente que administrou Belém no período de 1897 a 1910), consolidou a lei municipal de Códigos e Posturas, advertindo, por exemplo, que era “proibido chegar à janela ou porta em traje indecente ou em completa nudez, ou conservar-se em casa em tais condições, de maneira que seja visto pelos transeuntes” (Lei n° 158 de 17 de dezembro de 1897, artigo 128)….
A vida privada já era de domínio público. Mas essa não era a Belém de verdade. Historicamente aculturada e reprimida em virtude da colonização portuguesa, sua população, que é essencialmente cabocla e ribeirinha; após a Cabanagem (movimento popular que levou ao poder os que pediam a total independência da Província), valorizou sua herança cultural.
Looks paraenses atuais no blog Nós Vamos Assim

Hoje, o calor nos limita a alguns modelos de roupas, antigamente a nossa limitação era cultural. Estamos mais bem servidos de lojas que modificam tendências e criam peças especialmente pensadas para a nossa realidade climática. A tecnologia implementada mudou, desde a confecção de tecidos até à adaptação dos mesmos em corte e costura no ato de fazer a peça em questão.

Então, seja se refrescando sob o ar-condicionado, ou aproveitando o verão paraense, nós temos uma identidade própria, um jeito de falar, de agir, de pensar que está impresso nas estampas de nossas roupas e nas cores de nosso povo.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Elas vão assim

Quem dá uma volta pela internet nos blogs de moda já se acostumou a ver as meninas em looks incríveis, mas totalmente fora da realidade. Que garota vai comprar pão usando um Louboutin de salto 15? As moças modernas trabalham, estudam e tem responsabilidades que nenhuma Barbie daria conta.

Natália, Marília e Amanda

Os preços das grandes marcas também não colaboram. Por isso, muitas acreditam que é impossível se vestir bem usando roupas baratas ou de liquidação. Grande erro. Pensando nesses dilemas, Natália Costa, Amanda Campelo e Marília Jardim resolveram criar a pagina “Nós vamos assim”  (vide Hoje vou assim e Hoje vou assim OFF), que  mostra que é possível se vestir bem fazendo compras em fast fashions e  usando muita criatividade. As três garotas são estudantes de jornalismo da UFPA e criam looks com roupas baratas, confortáveis e de acordo com o clima de sol e chuva da Cidade das Mangueiras.

O GatoQueFlutua conversou com elas. Olha ai!

1 – De quem foi a ideia da fanpage? Vocês pensam em criar um blog ou o facebook é a melhor forma de comunicar o que vocês desejam?

Natália: A ideia da fanpage foi da Amanda, Marília e eu fomos convidadas, porque nós três vivemos conversando sobre o assunto. O que mais queremos é trabalhar com moda e sempre ficamos pensando em montar looks e tudo mais. Como queríamos trabalhar mais com imagens, a fanpage dá conta do recado. Além disso, o blog requer uma doação, cuidado e carinho, não podemos postar as coisas de qualquer jeito, na fanpage nós podemos trabalhar de forma mais rápida, entre a universidade e o estágio.

Marília: Ideia da Amanda, claro! A Nat e eu apenas abraçamos a causa porque, como disse a Natália, nosso futuro está diretamente relacionado com o mundo da moda.

Amanda: O projeto foi idealizado por mim, aliás, já era uma ideia bem antiga, e como eu e as meninas temos essa relação bem próxima e conversamos sempre sobre o assunto, as convidei para tocar pra frente esse projeto.

Como a nossa prioridade é a parte imagética apostamos no formato de fanpage, além do quê se a plataforma fosse outra, como por exemplo, um blog, demandaria um tempo (coisa que não temos) muito maior do para fazermos as postagens e alimentá-lo com conteúdo. Já a fanpage nós dá uma maior liberdade.

2 – O que é o “Nós vamos assim”?

Natália: O “Nós vamos assim” é o espaço que encontramos pra compartilhar aquilo que gostamos e pra mostrar que não ter dinheiro, não significa que você não possa se vestir bem e estar na moda, mostrando os nossos looks do dia-a-dia.

Marília: Acho que a fanpage é a nossa oportunidade de mostrar quem somos e como expressamos isso por meio das nossas roupas. E somos pessoas normais, estudantes, estagiárias… Ninguém aqui é rica pra comprar peças caras, a gente garimpa muito pra encontrar coisas legais que combinem com o que a gente já tem no guarda-roupa.

Amanda: É um espaço dedicado a mostrar para as pessoas, principalmente mulheres, que é possível se vestir bem sem gastar muito. A desculpa quase que unânime das pessoas é “se vestir bem custa caro”, e isso não é verdade. Tô vivendo de roupas de liquidação há quase um ano e ainda não morri. E a proposta do “Nós vamos assim” é bem por aí, divar sem gastar muita grana.

3 – Quais as referências de paginas na web que vocês destacam como relevantes para a criação da “Nós vamos assim”?

Natália: Cada uma de nós tem diferentes referências e cada uma contribui do seu jeito. Eu, por exemplo, gosto muito de blogs como: o Um ano sem Zara, o E aí, Beleza?, o Modices . Mas, curto também ver roupas pelo Pinterest, Instagram, Sartorialist e Lookbook, e porque não dizer também de pegar referências nos k-dramas que assisto?

Marília: Gosto muito da Joana Moura (do Um ano sem Zara), mas gosto principalmente de olhar pras pessoas nas ruas, nos ônibus e vitrines de lojas! Acho que são verdadeiras inspirações pro cotidiano 🙂

Amanda: O meu costume de visitar blogs para procurar inspirações é bem recente, pois minhas inspirações vêm de outros lugares, mais dos figurinos de cantoras e de moda urbana, do quê de blogueiras. Mas sempre que posso dou uma olhadinha no Garotas Estúpidas, Blog da Lalá Noleto, Hoje vou assim OFF, entre outros. Sempre procuro adaptar as dicas que estes blogs dão para o clima de Belém.

GOSTOU? ENTÃO CURTE A “NÓS VAMOS ASSIM”!

Atualização: Agora elas também tem site!

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob