O Gato leu: Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel?

Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? – Ilana Casoy
Editora: DarkSide
Ano: 2014
Páginas: 360
Compre: Amazon

A maldade e a violência têm uma origem na insanidade ou são totalmente frutos da consciência humana? O livro Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? da DarkSide Books nos traz essa reflexão a todo o momento. Os assassinos em série mais famosos do mundo estão reunidos aqui pela renomada criminalista brasileira, Ilana Casoy. 

Antes de detalhar os crimes de cada um, Casoy nos explica o que é um serial killer, quais são seus ciclos, aspectos gerais, psicológicos, características e o modo como eles enxergam suas vitimas. Além disso, ela derruba alguns mitos que existem acerca do tema e dessas pessoas. A autora destaca alguns métodos de investigação e, acima de tudo, aponta que esses criminosos não são monstros, como algumas pessoas costumam se referir, eles são exemplares da nossa sociedade.

Resenha do livro Serial Killers - Louco ou Cruel?, publicada no blog GatoQueFlutua

Para um crime ser solucionado, tanto a medicina forense quanto a psicologia jurídica devem ser utilizadas. Quanto mais interação entre os profissionais das duas áreas, mais chances tem a policia de encontrar e capturar os serial killers. (Pág. 34).

Clara e objetiva, Ilana nos apresenta crimes chocantes e extremamente violentos. São 16 casos que marcaram o século XX, como Aileen Wuornos, Albert Fish, Andrei Chikatilo, Ed Gein, Jeffrey Dahmer, Ted Bundy e o Zodíaco. Ela documenta os fatos em uma forma de narrar tão singular que me lembrou uma escrita de ficção, feita para manter o leitor atento e interessado. A cada caso, um novo clímax é construído.

Assassinos em série, enquanto ainda não descobertos, escalam na violência, sentindo-se cada vez mais confortáveis e com a autoconfiança estimulada a cada dia que passam sem ser suspeitos. (Pág. 240)

Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? disseca o universo da criminalística e nos ajuda a enxergar o quanto que a tecnologia, a cada evolução, tem sido uma aliada na hora de solucionar os crimes. O DNA, por exemplo, hoje é algo comum e que até os leigos conseguem entender a sua eficacia, mas ele é uma tecnologia muito recente. Existem casos em que, se houvesse a evidência do DNA na época, teria outro resultado.

Recomendo!

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: O Hobbit em quadrinhos

O Hobbit – J.R.R. Tolkien, Charles Dixon (adaptação) e David Wenzel (ilustrações)
Editora: Martins Fontes
Ano: 2013
Páginas: 138
Compre: Amazon

Recentemente tive problemas com o servidor do blog e até conseguir ajustar tudo, acabei atrasando as postagens. Então, estou cheia de resenhas atrasadas pra compartilhar com vocês!

A primeira delas faz parte da meta de leitura deste ano do blog, o Desafio Doze Meses Literários. Fiquei meio perdida na hora de escolher qual o livro de aventura iria ler para o desafio de julho. A maioria dos que tenho aqui em casa já eu li, pois este é um dos meus gêneros favoritos.

Resenha da graphic novel de O Hobbit publicada no blog GatoQueFlutua

Foi ao ver o comercial do filme na TV que fui despertada pela seguinte frase do Bilbo, “eu vou viver uma aventura”. O Hobbit é uma história que amo demais e o Bilbo é um daqueles personagens com o qual me identifico muito. Ele quer conhecer e descobrir o novo, mas ao mesmo tempo sente saudades do conforto do lar.

Ler O Hobbit é como receber um abraço de um velho amigo, aquele com quem eu dividi uma jornada e me permiti ir de encontro ao inesperado.

A trama conta a história de Bilbo Bolseiro, um hobbit pacato e caseiro que tem sua vida virada de cabeça para baixo quando se junta ao mago Gandalf e aos treze anões da comitiva de Thorin Escudo de Carvalho. Este ultimo é o rei anão que está em sua jornada para reaver a Montanha Solitária e o seu tesouro, ambos usurpados pelo dragão Smaug.

Baseada na obra do escritor J. R. R. Tolkien, esta versão em quadrinhos foi condensada por Charles Dixon e ilustrada por David Wenzel. As ilustrações dão aos anões, Gandalf e os elfos uma cara bem diferente daquela caracterizarão dos filmes. Aqui temos um visual mais clássico.

Escrito como um conto de fadas para os seus filhos, O Hobbit é aquele livro que cativa e apresenta varias lições, como o valor da amizade, companheirismo e trabalho em equipe; além da ideia essencial de que os nossos maiores tesouros não ficam guardados na carteira ou em cofres e sim, no coração.

Para quem nunca leu Tolkien e tem medo da sua escrita detalhista, esta é uma boa forma de começar e conhecer uma de suas histórias mais famosas. Esta é uma graphic novel que tem bastante texto, mas não fica nenhum pouco cansativa. Depois de ler e dar essa “primeira olhada” no universo do autor, quem sabe você não se aventura também?

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Ayrton Senna: A trajetória de um mito

Ayrton Senna: A trajetória de um mito – Lionel FroissartChristian Papazoglakis e Robert Paquet
Editora: Nemo
Ano: 2014
Páginas: 48
Compre: Amazon

Quando coloquei a meta de ler uma biografia no Desafio Doze Meses Literários de junho eu não imaginava que ela ia se mostrar a mais difícil até agora. A unica biografia que tenho na minha estante já li há anos atrás e não pretendo reler agora, com tantos livros inéditos na minha fila de leituras.

Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.

A minha sorte é que meu irmão é fascinado pelo Ayrton Senna e tem dois livros que falam sobre a vida do piloto brasileiro. Escolhi este da Editora Nemo, pois é em quadrinhos.

Considerado até hoje um dos maiores pilotos de todos os tempos, Ayrton Senna era apenas um ilustre desconhecido até a largada do Grand Prix de Mônaco, em 1984. O principado estava sob um dilúvio e a maior parte dos pilotos perdeu o controle do carro, mas o jovem brasileiro causou sensação no volante de um Fórmula 1 de classe inferior. No livro, vemos um piloto que treinou duro desde muito jovem, ainda no kart, para se aperfeiçoar nas corridas com chuva.

Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.Resenha da HQ do Senna, lançada pela Editora Nemo. Publicada no blog GatoQueFlutua.

A sua performance impressionante o levou à dianteira da corrida e o tornou uma ameaça ao campeão Alain Prost. Esse dia marcou o início da lenda que se escreveu nos dez anos seguintes, durante os quais Senna deixou sua marca na Fórmula 1, até sua morte trágica no Grand Prix de Ímola, no dia 1º de maio de 1994.

Este é um livro para os fãs do piloto, pois é bem curto e não se preocupa em se aprofundar nos detalhes como nomes e datas. O leitor já tem que ter um certo conhecimento prévio disso. O quadrinho fica alternando entre a infância dele, no Kart e a vida adulta, como piloto profissional, ressaltando o quanto que as experiências são marcantes para toda a vida.

É interessante para mostrar que nem só o talento basta, é preciso trabalhar duro, se dedicar e se esforçar. Senna era bastante ambicioso e sabia disso.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: O Mundo da Mulher-Maravilha

O Mundo da Mulher-Maravilha – Matthew K. Manning 
Editora: Pixel Media
Ano: 2017
Páginas: 364
Compre: Amazon

Eu já tinha anunciado por aqui que a Pixel Media havia preparado um lançamento especial da  Mulher Maravilha aproveitando a ocasião do lançamento de seu filme solo. Hoje venho trazer a resenha desse livro!

Acredito que a maioria das pessoas consiga identificar a personagem de cara e dizer que ela é uma super-heroína e integrante da Liga da Justiça. Mas e a sua história? E sua origem? Nem todos conhecem a saga de Diana, nascida em Themyscira e filha única da rainha Hipólita. O livro O Mundo da Mulher-Maravilha está aqui para ajudar nessa questão.

Metade humana e metade deusa, Diana foi treinada desde o seu nascimento para ser uma representante de Themyscira no mundo humano. No livro, é ela que narra sua própria história, em uma linguagem acessível como uma conversa franca, mostrando não só a força que a torna excepcional, como também a fragilidade que a aproxima de nós.

Vemos a mulher que sempre existiu por baixo do uniforme. Ela fala conta a sua perspectiva sobre o mundo, tanto como uma guerreira destemida, quanto como embaixadora da paz. Ao mesmo tempo em que segue a narrativa do crescimento de Diana, O Mundo da Mulher-Maravilha também serve como uma especie de guia, cheio de colagens e anotações feitas pela heroína.

Diana nasceu em uma ilha, cercada de outras mulheres, mas abraçou a humanidade por completo quando decidiu protegê-la. Há um destaque especial no livro para a família dela, desde falar sobre sua origem “incomum”, até chegar na diversidade de indivíduos que a compõe. É muito bom ver uma representação tão criativa assim.

Seguindo o cânone mais recente da personagem, criado por Brian Azzarello, o livro O Mundo da Mulher-Maravilha foi escrito por Matthew K. Manning e ilustrado por Paul Bulman.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato leu: Eu, Robô

Eu, Robô – Isaac Asimov
Editora: Aleph
Ano: 2014
Páginas: 320
Compre: Amazon

Junho está sendo o mês de colocar as leituras em dia e isso e inclui o Desafio Doze Meses Literários. A temática de maio era ficção cientifica. Eu li Eu, Robô e não poderia está mais satisfeita.

Isaac Asimov foi muito feliz no seu livro. Ele traz diversos contos que podem ou não serem lidos de maneira linear. Esses contos nos apresentam os mais diversos tipos de robôs, desde aqueles autômatos, incapazes de falar, até os superinteligentes e tomam decisões que interferem na vida dos seres humanos.

Houve um tempo em que o homem enfrentou o universo sozinho e sem amigos. Agora ele tem criaturas para ajudá-lo; criaturas mais fortes que ele próprio, mais fieis, mais uteis e totalmente devotadas a ele. A humanidade não está mais sozinha. Já pensou sobre essa questão desde modo? (Pág. 15)

“Robbie”, “Mentiroso!”, “Um Robozinho Sumido” e “Evidência” são as minhas tramas preferidas. Gosto muito de Susan Calvin, a especialista que compartilha essas histórias. Apesar do estereotipo da mulher cientista antissocial, grossa e sem interesse no envolvimento humano; (que Asimov infelizmente escolheu), os contos em que ela participa ativamente são os mais interessantes.

Eu tenho um medo enorme de robôs. A ideia da servidão obrigatória deles me lembra muito a escravidão e isso não é nada bom. Se escravizar um igual historicamente já não deu certo, imagina escravizar um superior, como um robô, cujo cérebro consegue ir muito além dos nossos? A ideia de uma rebelião das máquinas no futuro sempre me pareceu inevitável e eu espero não estar aqui para ver isso, pois sei que o ser humano com certeza fará por merecer, uma vez que ele não consegue abandonar o poder e a sensação de superioridade que ele traz…

Toda a vida normal, Peter, de maneira consciente ou não, ressente-se da dominação. Se a dominação parte de um inferior, o ressentimento fica mais forte. No aspecto físico, e até certo ponto, no aspecto mental, um robô… qualquer robô é superior aos seres humanos. O que o torna servil então? Apenas a Primeira Lei! Bem, sem ela, a primeira ordem que você tentasse dar a um robô resultaria na sua morte. (Pág. 172)

As Três Leis da Robótica (princípios que regem os comportamentos dos robôs), presentes nas primeiras páginas de Eu, Robô, hoje não são somente ficção e estão na base dos estudos da área. O autor as apresenta de maneira simples e mostra que nem sempre os resultados são simples de se chegar. Se as circunstâncias influenciam na tomada de decisões dos humanos, imagine nas dos robôs?

É uma leitura essencial. Recomendo!

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob