O Gato viu: Okja

“Se você escolhe comer carne, você ama pets, não animais”. Miley Cyrus falou isso recentemente e eu tenho que concordar com o pensamento dela. É importante nos avaliarmos e questionar se nossas palavras e ações estão indo para o mesmo lado. Já faz um tempo que estou tentando mudar minha alimentação e parar de comer carne é o maior desafio.

Recentemente vi Okja, a produção da Netfix, dirigida por Bong Joon-ho, na qual Lucy Mirando (Tilda Swinton), CEO de uma poderosa empresa, apresenta ao mundo que uma nova espécie animal descoberta no Chile. 26 exemplares do “super porco” serão enviados para países distintos, para que cada fazenda o crie de acordo com sua própria cultura local. A ideia é que os animais permaneçam espalhados ao redor do planeta por 10 anos. Após este período, um concurso que escolherá o melhor. Uma década depois, a jovem Mija (Seo-Hyun Ahn) que convive desde a infância com Okja, o super porco fêmea criado pelo avô, está prestes a perdê-la devido ao fim do concurso. Mija decide lutar para ficar ao lado dela, custe o que custar. No caminho ela vai conhecer de perto os problemas da sociedade de consumo.

Além de mostrar como que funciona a indústria nesse setor, Okja ainda apresenta a ação das entidades de proteção aos animais. O ator Paul Dano merece destaque nesse parte. As atuações caricatas de Jake Gyllenhaal (o rosto da companhia) e Tilda até nos fazem rir durante o longa, mas não se engane, você vai terminar chorando e com o coração apertado.

Sem spoilers, só posso dizer que o final não podia ser mais verdadeiro. Apesar de tem algumas falhas no roteiro, que fazem com que a narrativa fique confusa em alguns momentos, Okja é incrível. É a metáfora do que acontece diariamente em matadouros pelo mundo afora, nas grandes industrias que são movidas apenas pelo desejo de lucrar.

Ainda há a crítica ao uso desmedido de termos como orgânico e eco-friendy, que muitos se apropriam no marketing para vender uma boa imagem e que nós não pensamos duas vezes em consumir. Ainda há a questão da fome no planeta e o seu combate, tudo sempre incorporado ao discurso do capital. Saí dessa imersão com o pensamento de “o que eu estou fazendo?”. Tanto como uma consumidora quanto uma profissional de comunicação. Que discursos compramos? Que camisas vestimos? Okja é um filme para se pensar, e muito.

Não é uma história que te intima a virar vegetariano e/ou ambientalista radical. Ela só te pede para não ignorar a realidade de que a comida que chega ao seu prato tem muita história para contar e, na maioria das vezes, ela não é boa. Não vou dizer que o filme mudou a minha vida e que no dia seguinte não almocei carne. Eu até repeti! Alimentação também é algo cultural e isso não muda do dia para a noite, mas o incomodo permanece em mim e isso eu acredito que seja o potencial de mudança que o filme traz.

Para quem quiser se aprofundar no assunto da indústria da pecuária, a Paula Buzzo recomendou alguns documentários no canal dela. São imagens fortes, mas acima de tudo, são imagens reais.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato viu: Minimalism: um documentário sobre as coisas importantes

Estou tentando variar um pouco o que eu assisto. Vejo muitas series (e amo), mas quero consumir mais filmes e isso inclui documentários, claro.

Aproveitei que o comentário em torno de MINIMALISM: um documentário sobre as coisas importantes, disponível na Netflix, estava grande e decidi entrar nessa reflexão coletiva também. Gostei muito do que vi, pois vai de encontro às ações que estou tentando tornar hábitos na minha vida, como passar adiante o que não uso, comprar mais conscientemente e aproveitar ao máximo os bens que já possuo. Parece simples, mas não é. Vivemos dentro do capitalismo e da sociedade que consome demasiadamente sem nem se dar conta.

Na sinopse, o questionamento: Como seria sua vida com menos? MINIMALISM: um documentário sobre as coisas importantes acompanha a popular dupla do site The Minimalists e examina os muitos sabores do minimalismo, levando o público para dentro das várias esferas da vida das pessoas chamadas minimalistas.

Lembro que, há alguns anos atrás, sempre que eu entrava no shopping eu comprava uma blusa nova, mesmo que meu guarda-roupa já estivesse cheio. Eu vivia sem dinheiro mesmo tendo duas boas bolsas de estágio e nenhuma responsabilidade financeira doméstica com que me preocupar.

Hoje em dia eu gasto bem pouco, ajudo muito em casa e me orgulho do quanto aprendi. Pareço uma hippie falando? É bem difícil acreditar nisso, pois sou daquelas que sempre tenta estar arrumada, maquiada e seguindo a moda quando ela me convêm. O que fiz foi doar as roupas que não tem mais a ver comigo e usar todas as que fiquei, tentando combinações diferentes; ler os livros que já tenho em casa antes de sair comprando novos, me desapegar (doar, vender e trocar) daqueles que não me cativaram; além, é claro, comprar com consciência, pensando se eu realmente necessito daquilo.

O interessante é que o documentário não tenta, em nenhum momento, nos doutrinar ou nos apontar como errados e eles certos. Ele mostra que existem outros modos de viver e como as pessoas estão fazendo isso. Cada um assimila e traz a reflexão para dentro da sua realidade.

Você não precisa dar tudo o que tem e viver como um eremita, basta olhar ao redor e pensar em cada objeto que o cerca, veja se ele tem a ver com a pessoa que você se tornou. Desapegue-se do que é supérfluo e banal e fique com as coisas que são realmente importantes.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato viu: Guardiões da Galáxia Vol. 2

O que esperar da sequência do que foi aclamado por muitos como o melhor filme de heróis? Apenas mais e mais!

Guardiões da Galáxia Vol. 2, já primeira cena do grupo, nos conquista em uma overdose de fofura com Baby Groot, a pequena planta ambulante. Essa cena serve para mostrar o status da relação da equipe e a forma como eles estão “trabalhando” atualmente.

O grupo realiza “serviços” pelo bem galáxia, mas sem perder o jeito de agir que lhe é tão característico. Em meio a uma fuga, se vem obrigados a aterrissar em um planeta próximo, lá encontram um homem que diz ser o pai de Peter. Seria verdade ou uma armadilha? Os Guardiões se dividem e vão em busca de respostas. Nesse caminho, personagens novos surgem e antigos inimigos se tornam aliados. A galaxia mostra que nunca vai deixar de surpreender.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um filme de super-heróis que fala sobre relacionamentos. Um amor não verbalizado. Uma amizade ainda frágil. Uma família problemática e outra recém descoberta. Um compromisso com a salvação daqueles que nem se conhece. O grupo desfuncional tem, durante a trama, que se entender e confiar um no outro.

Há o medo de se arriscar e ficar mais uma vez sozinho. Os Guardiões trabalham bem juntos durante as batalhas, mas será que nos momentos de calmaria eles conseguem ser uma equipe também?

A luta para se manterem unidos será aquela mais difícil que terão em seu caminho.

O filme desperta muitos sentimentos. Uma hora nós choramos de rir e, em outra, choramos de tristeza. Guardiões da Galáxia Vol. 2 consegue ser tão bom quanto o primeiro e temos muitas cenas de ação belíssimas. Acho que esse é um filme mais para o fãs do que o seu predecessor. Temos personagens novos e um universo que se expande. O primeiro longa é um filme de origem, por isso é um pouco mais fácil de entender. Já esse, deixa muuuuitos ganchos para as próximas aventuras da Marvel nos cinemas. É imperdível!

Uma dica amiga: Guardiões da Galáxia Vol. 2  tem CINCO cenas pós-créditos!

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato viu: Logan

Vem ai (eu espero) uma série de posts atrasados aqui no blog.

Desde o final do ano passado eu disse que a rotina ia ficar corrida, mas nem por isso vou deixar de postar e compartilhar com vocês. A vida seria mais sem graça sem o GatoQueFlutua.

Hoje eu trago a resenha deste filme incrível, Logan. A critica social é muito presente nas aventuras dos mutantes e neste novo longa isso não podia ser mais evidente.

Porém, o que menos se dá destaque nesta história, são aos poderes especiais. O foco é no fator humano, algo que parece estar tão escasso nos dias de hoje, quanto estão os mutantes no novo filme. A empatia, o cuidado e o querer bem estão na cola que faz de Logan a despedida perfeita de Hugh Jackman e Patrick Stewart.

A trama se passa 2029 e Wolverine é um nome que nem se ouve mais ser chamado. Logan (Hugh Jackman) trabalha como chofer de limousine na fronteira do México com os Estados Unidos. Ele faz isso para cuidar do então nonagenário, Professor Charles Xavier (Patrick Stewart), que vive preso em um taque sob medição constate, para evitar que ele tenha um ataque e mate as pessoas ao seu redor. A maior mente do mundo está demente.

Logan está debilitado física e emocionalmente. Ele bebe muito e se pergunta, por quanto tempo a vida continuará se arrastando? As lutas ficaram no passado e, infelizmente, os X-men, aqueles que tinha como sua família, também.

Um dia, Logan é procurado por uma mexicana que precisa da sua ajuda para proteger a jovem Laura (Dafne Keen), que está sendo perseguida por Donald Pierce (Boyd Holbrook).

A interação entre a Laura, Logan e Charles é um dos pontos altos da trama. Os três são pessoas marcadas pela dor, com demônios internos e que precisam ficar juntos na fuga daquele que quer controlar a jovem mutante de poderes tão semelhantes aos de Logan.

Dafne Keen é uma excelente atriz, ela passa boa parte do filme sem falar nada, mas ao mesmo tempo consegue dizer muito através do olhar.

O filme é bem diferente dos outros da série X-Men. Ele é sujo e sombrio. As lutas não são assépticas como eram as anteriores, são extremamente violentas, mas ao mesmo tempo muito mais reais. É bem chocante.

As fotos escolhidas para ilustrar este post fizeram parte da ação de divulgação do longa e foram montadas no formato de uma exposição. O preto e branco, ressalta a melancolia das cenas deste que é um filme humano e visceral.

 Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

O Gato viu: Rogue One: Uma História Star Wars

A Ordem dos Jedi está há anos extinta e o Império apresentou sua nova e mais potente arma: a Estrela da Morte. Esse é o cenário de Rogue One: Uma História Star Wars.

O filme é um presente para os amantes da clássica franquia. Enquanto O Despertar da Força foca em alcançar novos fãs, Rogue One foi feito para aqueles que já estão familiarizados com este universo. Porém, isso não quer dizer que as pessoas não vão entender a trama se não tiverem conhecimento anterior. É um filme bem amarrado, com começo, meio e fim e que funciona muito bem. É um filme solo nesta franquia formada por trilogias. Porém, se você for um fã, vai se sentir abraçado por todos os easter eggs e fan services presentes.

Dá pra ver que o diretor Gareth Edwards fez o dever de casa e cuidou muito bem desta história. Ela se assemelha muito à trilogia clássica, porém, possui personagens com maior carga dramática e que funcionam muito bem nesta que é uma trama bem mais sombria.

Este é o primeiro spin-off da franquia nos cinemas. Ele se se passa anos depois dos acontecimentos do Episódio III: A Vingança dos Sith e pouco antes do Episódio IV: Uma Nova Esperança.

No longa, o Império revelou sua maior arma, a Estrela da Morte, com capacidade de destruir planetas inteiros. Este poderia ser o fim da Aliança Rebelde, pois não haveria como competir com essa força bélica. Porém, um grupo de pilotos rebeldes decide desafiar todos os riscos e enfrentar a missão de buscar os planos de construção da arma espacial e encontrar sua vulnerabilidade.

Vemos a protagonista Jyn Erso (Felicity Jones), indo atrás de Galen Erso (Mads Mikkelsen), seu pai e construtor da Estrela da Morte. Os rebeldes Capitão Cassian Andor (Diego Luna), Chirrut Imwe (Donnie Yen), Baze Malbus (Jiang Wen), Bohdi Rook (Riz Ahmed), além do droid K-2SO (Alan Tudyk), a acompanham nesta missão. Em seu caminho ela encontrará Saw Gerrera (Forest Whitaker), um lutador rebelde e o oficial imperial Diretor Orson Krennic (Ben Mendelsohn), um dos responsáveis pelo projeto da Estrela da Morte.

GRANDE ELENCO E MENSAGEM ATUAL

São muitos personagens neste longa, um time bem grande, mas consegui me afeiçoar a todos eles. Todos tem seu momento e a sua hora na trama.

Vi os estragos da guerra, as famílias destroçadas e as pessoas que cresceram em meio à ditadura do Império e que não fazem outra coisa desde então a não ser lutar contra ela.

Luta por direitos e luta por liberdade. Isso é tão atual, não e mesmo? Há metáforas para os grupos rebeldes, governantes tiranos e uso da força militar sobre a sociedade, tudo o que encontramos nas notícias diárias dos nossos jornais.

Rogue One mostrou que se faz coisas ruins por um bom motivo. Não há a dialética entre o bem o mal neste filme. Seus personagens estão numa área mais cinza, seus históricos pessoais estão longe da clássica jornada do herói. Isso os torna bem mais verdadeiros e críveis.

Vemos que a Aliança Rebelde nem sempre concorda entre si. Que há rebeldes extremistas e que na galáxia há muitas pessoas que não são jedis, mas que também tem esperança e se agarram nela para viver e lutar.

É Star Wars, mas também ousa ir mais além. Rogue One é muito mais do que eu esperava. É uma fantasia atual. É um grande filme de estúdio, um entretimento com forte cunho social e motivacional. Quero ver mais disso! Quero filmes pra ver, sentir e pensar!

Um dos melhores filmes de 2016, com certeza. ❤

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob