O Gato leu: Nossa Senhora do Nilo

Nossa Senhora do Nilo – Scholastique Mukasonga
Editora: Nós
Ano: 2017
Páginas: 270
Compre: Amazon

Quando li a sinopse de Nossa Senhora do Nilo me deparei com um fato triste: o quanto nós desconhecemos a história da África. Sabemos sobre as grandes guerras mundiais, os conflitos separatistas no norte da Europa, os atentados nos Estados Unidos, mas sobre a realidade africana ignoramos quase tudo.

Lembro de estudar o conflito entre hutus e tutsis na época do vestibular. Uma passagem rápida durante a aula de geopolítica, alguns nomes gravados na memória e nada mais durante anos.

Resenha do livro Nossa Senhora do Nilo - Blog: GatoQueFlutua - Foto: Debb Cabral

Ironicamente foi uma obra de ficção que me trouxe de encontro à esta triste realidade.

A história se passa no Liceu Nossa Senhora do Nilo, uma escola para meninas, situada no alto das montanhas da bacia do Congo e do Nilo, em Ruanda. Este lugar aplica rigorosamente um sistema de cotas étnicas que limita a 10% o número de alunas da etnia tutsis. Vemos aí o controle do acesso à educação como uma forma de controle social. Em Nossa Senhora do Nilo o Liceu é também um personagem dessa história, há uma aura sobre este lugar acessível somente para poucos.

A cota funciona assim: de vinte alunas, duas são tutsis. Por causa delas, tenho amigas que são ruandesas de verdade, do povo majoritário, do povo da enxada, que não conseguiram vaga na escola secundaria. Meu pai vive repetindo que um dia a gente tem que se livrar dessas cotas, foi uma história inventada pelos belgas! (Pág.34)

Quando os líderes do poder hutu tomam conta do local, o universo fechado em que têm de viver as alunas torna-se o teatro de lutas políticas e de incitações ao crime racial. As brigas entre as adolescentes são o reflexo de toda uma tensão que existe na sociedade ruandesa. As meninas já crescem repetindo os preconceitos e ideologismos de seus pais, um ciclo opressivo social e étnico. Além disso, há uma perseguição implacável a uma moral que chega a ser opressiva de tão absurda.

Os conflitos são um prelúdio ao massacre ruandês que aconteceria tempos depois. Em Nossa Senhora do Nilo, Scholastique Mukasonga, sobrevivente do massacre, conta as experiências-limites pelas quais passaram as jovens do colégio, numa narrativa pungente que encantou o mundo. A autora, que foi destaque na FLIP 2017, apresenta esse relato de uma maneira simples, como uma história a ser compartilhada.

– Você não acha perigoso? Você sabe o que esses brancos fazem com as moças que eles atraem para as suas casas. Os brancos acham que podem fazer tudo aqui, que podem fazer até o que é proibido na terra deles. (Pág. 74)

Há aventuras vividas pelas personagens que são surreais e, até mesmo, perigosas. Isso mostra a fragilidade e a ingenuidade dessas meninas, que são vistas apenas como as futuras boas esposas de homens poderosos. Uma educação sem informação é algo triste, como pude observar na questão da menstruação. O desconhecimento do próprio corpo na área da biologia está ao lado da visão do pecado pregada pelos religiosos locais.

– Você sabe que não devemos falar sobre esse assunto. As mocinhas não entendem nada do que acontece com elas, acham que são malditas. Não sei se era assim antes dos europeus chegarem, mas os missionários só pioraram as coisas. Nossas mães não explicam nada, como diriam os professores, é um tema tabu. (Pág. 99).

Nossa Senhora do Nilo é um livro comovente. Ao mesmo tempo em que ri das conversas das adolescentes, não consegui deixar de me preocupar com a segurança delas, de suas famílias, de seu povo, de seu país.

O blog Achados & Lidos foi quem me mandou este livro como presente. Ele realizou um Clube do Livro no qual houve uma leitura coletiva da obra. Os debates podem ser encontrados nos posts do projeto.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

Comente!