O Gato leu: Simon vs. a Agenda Homo Sapiens

Simon vs. a Agenda Homo Sapiens – Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Páginas: 272
Compre: Amazon

Eu já terminei a leitura de Simon vs. a Agenda Homo Sapiens há mais de um mês, mas só agora tive tempo para voltar a postar aqui no blog. Queria muito vir falar com vocês sobre este livro amorzinho.

Não sou uma pessoa que costuma ler romances (no sentido de histórias de amor), prefiro livros que abordam temáticas pesadas ou sociais, mas já notei que quando se trata de ver um casal acontecer minha experiência é muito melhor no gênero young adult. Os Y.A.s ou jovens-adultos são livros realizados para pessoas entre 15 e 25 anos, leitores em transição de gostos. O que mais me interessa nesse tipo de história é que elas trazem (pelo menos as que li) algo mais social, uma reflexão sobre temas atuais. Os conflitos tipicamente adolescentes vem acompanhados de um olhar mais acurado sobre a época em que vivem. No caso de Simon vs. a Agenda Homo Sapiens o debate e a história se dão em torno da homossexualidade do rapaz.

Você já se sentiu preso dentro de você mesmo? (Pág. 56)

O protagonista da trama tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe disso. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois, pois acha muito complicada a ideia de anunciar ao mundo sua sexualidade. Nenhum hétero precisa se “assumir”, pois nos foi social e culturalmente construída a ideia de que isso era o “normal” e o “padrão”. Esta ideia só complica a vida de pessoas como Simon, que só quer viver a vida sem ter que compartilhar com o mundo o seu aspecto mais intimo.

Porém, isso tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo será do conhecimento de todos. Além disso, Blue pode se afastar com medo de ser exposto também.

Acho que estou ficando meio cansado de tudo. Estou tentando não deixar que me afete. Eu não devia ligar se as pessoas idiotas me chamam de uma palavra idiota e não devia ligar para o que as pessoas pensam de mim. Mas sempre ligo. (Pág. 194)

Simon é adolescente avesso a mudanças que precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu.

Eu comecei a leitura detestando o Simon pois achava ele muito “reclamão”, mas depois da minha irmã me lembrar que todo adolescente é assim mesmo, passei a enxergar a história da perspectiva do protagonista. O resultado foi apaixonante. Dá vontade de ser amiga dele, pois a narrativa trata questões delicadas com naturalidade e bom humor. Ela nos mostra a importância dos círculos de afeto e proteção da nossa vida, sejam eles a família, os amigos da escola ou alguém do outro lado da tela do computador. Nenhum obstáculo é impossível de se atravessar quando se tem a mão de alguém para ajudar.

Bram estava certo: as pessoas são como casas de quartos grandes e janelas pequenas. E talvez seja mesmo uma coisa boa que a gente nunca pare de surpreender os outros. (Pág. 257)

Simon vs. a Agenda Homo Sapiens explora a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos. É um livro para todas as idades, para todos aqueles que já se encontraram perdidos com um grande dilema na vida.

Vale muito a pena conferir!

P.S.: Eu adivinhei quem era o Blue muito fácil e ao chegar no final da história fiquei feliz, pois meu palpite se saiu muito melhor do que eu imaginava.

Siga nas redes sociais!

Facebook  ✚ Instagram ✚ Twitter ✚ Google +  ✚ Pinterest ✚ Youtube ✚ Skoob

2 comentários Adicione o seu
  1. Eu amei muito esse livro ♥ uma das coisas que me marcaram na leitura foi essa opção do Simon em preferir não dizer sua opção (visto que ele se ‘aceita’ bem) e que isso ta ok. Sem precisar de julgadores.
    Como sempre, ótima resenha ♥♥♥

    1. <3
      Pois é, esse negocio de sair do armário é complicado. Hétero não precisa se anunciar para o mundo, com os LGBT's também deveria ser assim.
      Acho muito complicado essa ideia de ter que expor para todos o seu aspecto mais intimo.

      Beijão!

Comente!